“Stone Cast”: Um projeto que com 59,6M€ pretende “a transformação” do setor dos Mármores

José Calixto

Foi durante o congresso internacional «Mármore do Alentejo: da História ao Património», promovido pelo CECHAP que José Calixto, presidente da Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo (ADRAL), anunciou um projeto que será candidatado ao Plano de Recuperação e Resiliência e que pode transformar o sector dos Mármores.

Trata-se do projeto “Stone Cast” e que segundo José Calixto, “ambiciona ter recursos na casa dos 59,6 Milhões de Euros, centrados na inovação, na economia circular, na sustentabilidade e na investigação e desenvolvimento”.

José Calixto adiantou-nos ainda que este projeto procura “dar resposta aos desafios do setor, numa perspetiva, inside-out”, acrescentando que o projeto “decorre da vontade firme e expressa do coletivo em fazer diferente e inovar, com responsabilidade e preocupação pela sustentabilidade, rumo ao paradigma da indústria 4.0, e num contexto de economia circular.

O presidente da ADRAL revelou ainda que o “Stone Cast” conta com “cerca de 50 Parceiros, como empresas, não só da parte extratora, mas também líderes mundiais em termos de tecnologia de informação

Se tivermos sucesso nesta candidatura pode fazer-se a transformação fundamental do processo de produção e criação de valor, através da criação de peças de espessura muito mais fina e, portanto, o valor é criado pela via da competitividade do produto final”, indicou José Calixto.

Referiu ainda que “este projeto será uma boa tábua de salvação para os agentes económicos que estão no território, até para tentar eliminar aqueles circuitos comerciais que vão e vêm e o valor acrescentado fica após o bilhete de ida”, acrescentando que “atualmente é um dos principais projetos da ADRAL, estamos a fazer toda a pressão junto de quem define a divisão dos fundos”.

Este projeto, que vai ser candidatado ao PRR, tem o intuito de contribuir para implementação de mudanças estruturais nas empresas, nomeadamente, ao nível da área operativa e dos processos de produção; na implementação de mudanças estruturais nas empresas; ao nível da área da Gestão e Governação; ao nível da Transformação Digital; ao nível da Produção e Comercialização; ao nível da área do Ambiente; e na requalificação e reforço dos recursos humanos com uma integração plena de novos colaboradores, quer nacionais quer migrantes para a sustentabilidade futura desta atividade.