Vila Viçosa: “Sentir? Sinta quem vê” vence Prémio Henrique Pousão (c/fotos)

Prémio Henrique Pousão

A Câmara Municipal de Vila Viçosa entregou, esta terça-feira, o Prémio de Pintura Henrique Pousão.

Galardão que tem como objetivo evocar o pintor Henrique Pousão, nascido na localidade, e estimular os artistas alentejanos. Mestre da pintura impressionista, o artista que dá nome ao prémio é considerado um dos maiores nomes da pintura portuguesa da segunda metade do século XIX.

Na cerimónia restrita, que decorreu no Salão Nobre dos Paços do Concelho, estiveram presentes o presidente da Câmara de Vila Viçosa, Inácio Esperança, o presidente da Assembleia Municipal, Joaquim Viegas, os vereadores Tiago Salgueiro e Mónica Lobo, bem como o vencedor José Ribeiro.

Em declarações a’ODigital.pt, o autor da obra “Sentir? Sinta quem vê.”, José Ribeiro, explicou que a sua ideia foi “tentar retratar Henrique Pousão, de uma forma que eu e ele comungássemos o mesmo espaço, ou seja, o meu ateliê, sendo que a minha intenção era dialogar com ele e forma dos pintores dialogar entre si é através de uma forma pictórica e através da própria tinta”.

O pintor de Évora disse que com a obra apresentada pretende “transmitir emoção e assim transmitir aquilo que infelizmente ele não pôde continuar a fazer, ou seja, continuar a transmitir sensações às pessoas e eu através da minha obra quis que as pessoas olhassem para ali e Henrique Pousão continuasse a transmitir sensações”.

José Ribeiro salientou que “é a segunda participação neste concurso, sendo que na primeira vez o júri não devia estar bem disposto, pois, fiz uma retrospetiva de Henrique Pousão, mas não fui premiado, só recebi uma Menção Honrosa e até ainda lá tenho o quadro e quem sabe um dia que haja um museu de Henrique Pousão, voltar a trazê-lo para cá”.

Questionado sobre a sua opinião sobre este tipo de concurso, José Ribeiro disse que “são essenciais para dinamizar a cultura, mas infelizmente até acho que está um bocadinho mais parado, porque ao princípio de vir aqui ao Alentejo havia mais câmaras a fomentar este tipo de atividades, agora conheço a Vidigueira, aqui Vila Viçosa e acho que Évora que é uma cidade capital distrito, em relação à arte parece que estão virados de costas”.

Já o vereador da Cultura do Município de Vila Viçosa, Tiago Salgueiro, referiu que “é uma iniciativa de relevo para Vila Viçosa, porque o Henrique Pousão foi um pintor impressionista que deixou obra, que se encontra sobretudo no Museu Nacional Soares dos Reis, que faleceu precocemente, infelizmente, mas de qualquer das formas a Câmara Municipal pretende assim evocar este ilustre calipolense”.

Tiago Salgueiro revelou que “tivemos este ano 33 obras a concurso, o que não deixa de ser considerável, sobretudo tendo em conta que estamos no período de pandemia, o que significa que do ponto de vista artístico há ainda alguma dinâmica”.

O autarca salientou que “a nossa ideia é retomar também um pouco a valorização dos artistas em diversas componentes, a nível literário, a nível da pintura, entre outras artes que podem trazer valor para este concelho.

Nesta edição do Prémio Henrique Pousão, foi entregue uma Menção Honrosa a uma obra do pintor alandroalense João Cardoso Justa, sendo que Tiago Salgueiro destacou o facto da “possibilidade de ter artistas locais ou regionais, o que mostra que no Alentejo há grandes artistas”.

Sobre o futuro deste prémio, Tiago Salgueiro adiantou que “pretende-se criar um novo formato, pois, a ideia do Executivo no fundo é dar uma valorização diferente com a eventual atribuição de mais menções honrosas e temos também a ideia de descentralizar, podendo a cerimónia oficial de entrega dos prémios acontecer eventualmente no Museu Nacional Soares dos Reis ou na Sociedade Nacional de Belas Artes, mas estamos neste momento a fazer essa avaliação e a tentar encontrar aqui um novo possível formato para o prémio que permita no fundo uma maior projeção e incluir mais artistas também no âmbito da participação e desta forma também valorizar o nome de Vila Viçosa e Henrique Pousão.

De salientar que as obras que foram apresentadas a concurso estarão, em breve, em exposição na Casa da Cultura de Bencatel.

Fique de seguida com as imagens da entrega do prémio, numa reportagem de Hugo Calado: