Vila Viçosa: Escuteiros do Agrupamento 639 iniciaram as comemorações dos 40 anos “em prol da juventude” (c/fotos)

Agrupamento 639 de Vila Viçosa

A inaugurar as celebrações dos 40 anos de existência, o Agrupamento 639 Vila Viçosa do Corpo Nacional de Escutas promoveu um Sarau Musical, no Seminário São José, em Vila Viçosa (Évora).

Um evento que contou com uma boa moldura humana, apesar da instabilidade climatérica e em que atuaram Paulo Novado, Manuel Guerra e os Escuteiros do Agrupamento 639, de Vila Viçosa.

Também neste evento apelou-se aos presentes para apoiarem o Agrupamento 639, na participação do ACANAC’22.

ODigital.pt esteve presente neste evento e falou com o Chefe do Agrupamento, Jorge Reis, que falou sobre o 40º aniversário, referindo que “são 40 anos em prol de toda a juventude, não só de Vila Viçosa mas também dos concelhos limítrofes”, acrescentando que “foram muitas crianças e jovens que por aqui passaram, dentro daquilo que nós consideramos serem valores e serem princípios essenciais para vida, portanto, o escutismo é sem dúvida nenhuma um movimento não formal de educação, mas que forma para a vida, eles aprendem fazendo, não é um movimento onde a teoria prevalece, mas sim onde aquilo que se faz e que se leva para  vida faz-se”.

Jorge Reis considera que o Agrupamento 639 “é um movimento que neste momento em Vila Viçosa consideramos inequivocamente de excelência”.

Sobre a comemoração dos 40 anos, o Chefe do Agrupamento 639 disse que “este sarau começou por ser o primeiro evento, pois, iremos fazer um segundo evento que é o Paradigma, um evento para escuteiros de toda a região e convidados, vamos ter cera de 300/400 escuteiros, depois iremos fazer uma terceira edição de um evento para toda a comunidade e depois iremos terminar com uma exposição na igreja da Lapa onde será o culminar destas celebrações dos 40 anos do escutismo em Vila Viçosa”.

Como já referimos, neste evento foi também pedido aos presentes um pequeno apoio para a participação do Agrupamento 639 no ACANAC’22, tendo Jorge Reis explicado que “trata-se do expoente máximo em termos de acampamentos, por exemplo, há 4 anos atrás estiveram 17.500 escuteiros. É um evento de 8 dias, tem um custo um bocadinho elevado, nós temos de solicitar o apoio da comunidade para que nós possamos levar os nossos cerca de 70 escuteiros e como são cerca de 120 euros por pessoa e algumas das famílias que temos no agrupamento não têm essa capacidade e então temos de fazer essa angariação.

O evento deste sábado contou com a presença da chuva, tendo Jorge Reis referindo que “não sei o que fazemos, mas sempre que realizamos algum tipo de atividade chove, e quando o Padre Luís Filipe nos abençoou começou a cair a chuva e pode ser um sinal de que vamos estar aqui por mais 40 anos”.

Fique de seguida com as imagens deste evento, numa reportagem de Hugo Calado: