Vila Viçosa: Autarcas e empresários dos mármores reuniram para falar dos “desafios enormes” do setor

Autarcas Zona dos Mármores

A Câmara Municipal de Vila Viçosa e a Assimagra, enquanto associação que representa a Indústria Portuguesa dos Recursos Minerais, promoveram esta segunda-feira, dia 8 de novembro, o I Encontro entre os empresários do sector do Mármore, desta região, entre os proprietários das zonas de exploração e entre os Presidentes de Câmara do Anticlinal.

Este encontro decorreu no Salão Nobre dos Bombeiros Voluntários de Vila Viçosa e contou com a presença pdo presidente da Câmara Municipal de Vila Viçosa, Inácio Esperança, do presidente da Câmara Municipal de Alandroal, João Grilo, do presidente da Câmara Municipal de Borba, António Anselmo, do presidente da Câmara Municipal de Estremoz, José Sádio, do presidente executivo da Assimagra, Miguel Goulão, e da vice-presidente da Assimagra, Célia Marques.

ODigital.pt esteve presente nesta reunião e falou com João Grilo, presidente da Câmara Municipal de Alandroal, que falou em nome dos restantes autarcas, disse-nos que esta reunião “é um primeiro momento que para nós é significativo”, salientando que “neste momento temos a obrigação de reforçar um pouco esse trabalho conjunto e para isso estamos aqui os quatro presidentes da zona dos mármores e naturalmente Sousel também está solidário com o que estamos aqui a fazer”, destacando que “há objetivos muito sérios, muito importantes para a região e para aquilo a que chamamos a Zona dos Mármores, que têm que ser concretizados neste momento, portanto, há desafios enormes associados ao problema das acessibilidades, o problema das escombreiras, e até a questão da estação de carga e descarga que no Alandroal pode naturalmente ser um impulso importantíssimo para a região e que precisa de que estejamos todos empenhados em tudo”.

“Precisamos que os empresários se envolvam, que eles se empenhem e que façam a parte deles”

O autarca deixou claro que “viemos aqui dizer aos empresários que naturalmente podem contar com o nosso o nosso total empenho, com o nosso total envolvimento e esperamos da parte deles o mesmo, ou seja, para conseguirmos de facto vencer os desafios que a região tem só com um trabalho muito bem articulado entre todos”, frisando que “nós também precisamos que eles se envolvam, que eles se empenhem e que façam a parte deles, porque só assim é que podemos salvar a Zona dos Mármores e manter este setor como um setor estruturante e crucial para a região nos anos futuros”.

“o estudo vai dizer com certeza que tem [a estação ferroviária de carga e descarga] viabilidade”

Um dos temas abordados nesta reunião foi o estudo de viabilidade para uma estação ferroviária de carga e descarga no Alandroal, tendo João Grilo referido que “falámos disso e explicámos que o estudo está a ser desenvolvido e vamos agora agendar a apresentação em conjunto com a Infraestruturas de Portugal”, adiantando que “o estudo vai dizer com certeza é que se todos estivermos envolvidos, se todos fizermos deste investimento uma prioridade, ele com certeza que tem viabilidade e que pode ser estruturante ao serviço da região.

“Os municípios têm que articular estratégias para que os seus PDM’s tenham os mesmos objetivos”

Já sobre o facto da revisão dos Planos Diretor Municipais ser crucial para um maior desenvolvimento do setor, o edil disse que “tudo isso envolve a questão das acessibilidades, a questão de quais os locais onde pode haver exploração, onde pode haver as áreas de deposição comum, ou seja, a forma como tudo isso é gerido a nível dos PDM’s e a articulação que tem que haver entre eles é um aspeto importantíssimo e os municípios têm de facto que articular estratégias para que os seus PDM’s tenham os mesmos objetivos no sentido de promover a exploração do mármore”.

“Temos de mostrar à opinião pública que a extração de mármore continua a ser importante”

João Grilo, que recentemente foi eleito presidente da Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo, destacou ainda o projeto que vai ser candidatado ao Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), o projeto Stone Cast referindo que “é um projeto importantíssimo para esta dinâmica que que os mármores têm que ter, temos de mostrar à opinião pública que a extração de mármore continua a ser importante do ponto de vista económico e que é sustentável do ponto de vista ambiental e, portanto, temos que resolver os problemas ambientais do passado também e aproveitar o momento para isso”, acrescentando que “o Stone Cast que a ADRAL e outras entidades estão a desenvolver aponta precisamente nesse sentido, o de ajudar a resolver os problemas ambientais que foram criados pelas escombreiras, utilizando os subprodutos dar uma nova função, uma nova finalidade que vai muito ao encontro daquilo que são as exigências de qualquer exploração de matéria prima”.

“Hoje em dia não basta tirar pedra do solo, tem que se pensar em todo o processo”

João Grilo concluiu, referindo que “espero que os empresários entendam que hoje em dia não basta tirar pedra do solo, tem que se pensar em todo o processo e tem que se pensar do ponto de vista da sustentabilidade ambiental e mostrar que é um negócio rentável do ponto de vista económico, mas também sustentável do ponto de vista ambiental e é isso que nos permitirá continuar.”