Veiros: “É um perímetro que está com uma boa taxa de ocupação, o ritmo de adesão ao regadio tem sido superior aquilo que é habitual”, diz Ministro da Agricultura (c/som)

A Associação de Beneficiários do Perímetro de Rega de Veiros comemorou esta sexta-feira, 27 de Setembro, o seu X aniversário. Uma cerimónia que foi presidida pelo Ministro da Agricultura Luís Capoulas Santos.

Em declarações ao ODigital.pt, o Ministro da Agricultura, refere que “foi muito gratificante que 10 anos depois, este é um perímetro de sucesso, não ouvi queixas dos agricultores, pelo contrário ouvi palavras de autos-satisfação de todos”, acrescentando que “é um perímetro que está com uma boa taxa de ocupação, o ritmo de adesão ao regadio tem sido superior aquilo que é habitual, a visita que acabamos de fazer pelo perímetro demonstra que há uma boa ocupação e diversidade de culturas e naturalmente isso deixa o Ministro da Agricultura satisfeito”, salientando ainda que “eu tenho por este perímetro um especial carinho, porque fui eu próprio que o lancei ainda no meu anterior mandato enquanto ministro da agricultura.”

Luís Capoulas Santos afirma que “passados estes anos de conclusão do perímetro verifica-se que de facto é uma mais valia para a região, para a freguesia de Veiros, para os concelhos de Estremoz e Monforte e um contributo importante para economia do pais, pois vimos produção de nogueiras, amendoeiras, olival, culturas anuais, tomate biológico, tomate convencional, milho, fruteiras, é um bom exemplo do que o regadio pode fazer para mudar agricultura de uma região, naturalmente com preocupações de uso eficiente da água, com preocupações de natureza ambiental, mas tendo em conta que está aqui ser protegida a espécie que mais precisa de o ser, que é a espécie humana.”

Sobre o facto de esta barragem ainda não ter atingido a sua capacidade máxima, o Ministro da Agricultura salienta que “sabemos que apesar da ocorrência de chuvas não estar ainda muito claro que haja reduções, mas o que acontece é que a ocorrência de chuvas está cada vez mais concentrada e quanto mais concentrada é mais tendência tem para a torrencialidade e portanto mais uma rezão para que a armazenemos”, o governante explica que “no Alentejo temos registos históricos de 3 ou 4 anos de seca, que ciclicamente acontecem e nós estamos eventualmente a viver um desses ciclos e que espero que a estatísticas se confirme e que tenhamos brevemente o Outono e o Inverno pluviosos, porque só de imaginar um ano mais de seca que pudesse vir, era muito mau para a nossa agricultura, para o abastecimento de água ás populações, mas como já vamos no segundo, terceiro ano de seca, estatisticamente não é muito provável que venhamos a ter mais um ano, mas como sabe estas coisas não dependem dos governos, nem das nossas vontades, se assim fosse todos os anos a barragem encheria.”

Luís Capoulas santos conclui relembrando que “eu fui ministro da agricultura durante os governos de António Guterres empenhe-me nessa altura também muito no regadio, lembro-me que na altura conclui 30 projectos hidroagrícolas entre 1998 e 2002 e um deles no qual muito me empenhei foi precisamente este de Veiros e o meu ultimo acto enquanto Ministro da Agricultura em 2002, foi aqui em Veiros em Fevereiro desse ano, a lançar o concurso para este empreendimento” lamentando que “o Governo que sucedeu, das primeiras coisas que fez foi mandar para o lixo este projecto, de onde felizmente só veio a ser desenterrado 10 anos depois, e foi uma pena, porque o que está a acontecer agora podia ter tido uma antecipação de 10 anos.”

Capoulas Santos termina dizendo que “não deixa de ser irónico, que estive aqui no final do meu primeiro mandato enquanto Ministro da Agricultura e estou agora aqui no final deste meu mandato como Ministro da Agricultura também, ironia do destino e digamos que Veiros marca o ritmo das minhas aparições publicas no final dos mandatos governativos.”