Vacinação dos Bombeiros “devia ter sido mais cedo, peca por tardia”, diz Pres. da Federação de Évora

Inácio Esperança

Como já aqui noticiámos, esta segunda-feira, iniciou-se a vacinação contra a Covid-19 dos Bombeiros no distrito de Évora.

Uma vacinação que ocorre em cinco pontos do distrito, nomeadamente em Alandroal, Évora, Estremoz, Reguengos de Monsaraz e Arraiolos.

Neste sentido, ODigital falou com o Presidente da Federação dos Bombeiros do Distrito de Évora, Inácio Esperança que começou por explicar que a vacinação não ocorreu há duas semanas como tinha anunciado, porque “houve um problema com a chegada das vacinas ao país, mas assim que chegaram, aí estão os bombeiros a serem vacinados”.

Inácio Esperança salientou que, esta segunda-feira, “por uma questão de organização no distrito de Évora, quanto a mim bem, o ACES do Alentejo Central decidiu ser hoje o dia em que iriam ser vacinados metade-metade, porque basicamente estamos a vacinar 50% dos 50% que são para vacinar nesta primeira fase”, acrescentado que “dia 22 serão os outros 50%, quanto a nós também está correto, devido aos efeitos secundários, porque poderíamos em alguns quartéis ficar com os serviços comprometidos.”

Sobre a chegada da vacina só agora aos Bombeiros, o Presidente da Federação do Distrito de Évora afirma que “devia ter sido mais cedo, peca por tardia. Mas como diz o povo “mais vale tarde do que nunca” e temos de agradecer este empenho a todas as instituições, porque a seguir aos profissionais de saúde e aos séniores institucionalizados, os bombeiros, no entanto, os bombeiros deviam ter sido vacinados quando alguns foram, mas infelizmente não foram e são eles que fazem o serviço daqueles que usaram vacinas  para fazer o serviço que os bombeiros fazem”.

Concretamente como decorre esta segunda-feira a vacinação no distrito de Évora, Inácio Esperança indica que “é distribuída por cinco pontos de vacinação, a maior concentração de vacinação é em Évora, na Arena de Évora, no Alandroal no Centro de Saúde, em Arraiolos no quartel de bombeiros e em Reguengos. São estes os cinco pontos de vacinação e até ao fim do dia de hoje ficam metade da metade dos bombeiros do distrito vacinados.”

Já sobre se houve muitos bombeiros a não quererem ser vacinados, o Dirigente referiu que “não tenho indicação de que algum tenha recusado. Também ainda não chegou ao fim, agora com o inquérito e a informação que vão ter da vacina, que vai ser administrada, pode haver alguma recusa, mas até ao momento não tenho informações de recusas.”