Quarta-feira, Fevereiro 8, 2023
Pub

Utentes protestam em Ponte de Sor contra “aumento” da fatura da água com nova empresa

- Publicidade -
- Publicidade -

Dezenas de utentes do distrito de Portalegre concentraram-se hoje, em Ponte de Sor, junto da sede da empresa Águas do Alto Alentejo (AAA), que gere a água em baixa, em protesto contra o “aumento” do valor das faturas.

A concentração foi promovida, esta tarde, pela Plataforma de Defesa da Gestão Pública da Água no Distrito de Portalegre, que engloba várias associações e movimentos de utentes.

Contactada pela agência Lusa, fonte da GNR estimou que a iniciativa deve ter mobilizado entre “30 a 40 pessoas”.

Jorge Fael, da Associação Água Pública, entidade que integra a plataforma, defendeu à Lusa que a gestão da água regresse à esfera dos 10 municípios que integram a AAA, bem como a redução dos custos das taxas, serviços e das tarifas de água e saneamento.

“Seguiram um modelo empresarial, com critérios de gestão privada, e isso significou o aumento significativo dos preços, com estimativas muito elevadas, com a faturação também com base em estimativas elevadas”, lamentou.

Para Jorge Fael, numa altura em que o aumento do custo de vida é “muito significativo”, os utentes estão a ser confrontados com faturas “muito elevadas” de água e saneamento.

A AAA assumiu, em julho, a gestão dos sistemas públicos de abastecimento de água em baixa e de saneamento nos concelhos de Alter do Chão, Arronches, Castelo de Vide, Crato, Fronteira, Gavião, Marvão, Nisa, Ponte de Sor e Sousel.

De fora desta empresa, ficaram os municípios de Portalegre (PSD/CDS-PP), Elvas (PS), Campo Maior (PS), Monforte (CDU) e Avis (CDU), ou porque optaram por não aderir ao projeto ou porque já integravam outras concessões e sistemas.

“Os municípios [que aderiram à AAA] perdem capacidade de autonomia e decisão. Há aqui uma perda de controlo democrático sobre um serviço que é essencial à população e à economia local”, criticou Jorge Fael.

No entanto, o responsável defendeu que é preciso uma “economia de escala” e a “colaboração” entre os municípios para poderem prestar melhores serviços às populações, mas alertou que esse fator “não implica eliminar a responsabilidade de gestão”.

A Plataforma de Defesa da Gestão Pública da Água no distrito de Portalegre também já recolheu “mais de mil assinaturas” num abaixo-assinado com as suas reivindicações que está a circular na região e que, no final, vai ser entregue a responsáveis políticos.

Contactada pela Lusa, a empresa AAA escusou-se a comentar esta concentração promovida pela Plataforma de Defesa da Gestão Pública da Água no Distrito de Portalegre.

No entanto, em declarações à Lusa no dia 09 de setembro, o presidente do conselho de administração da AAA, Hugo Hilário, justificou que a criação da empresa implicou a “adaptação” dos tarifários “à realidade”, motivada também por “obrigações legais” da parte da Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR).

“Os tarifários foram atualizados [e] foram ainda concertados pela primeira vez na história deste distrito. Os 10 municípios têm o mesmo tarifário”, disse.

Na ocasião, Hugo Hilário referiu que “não existem” aumentos nas faturas que possam chegar aos 100% e acrescentado que até há casos de alguns municípios onde o tarifário “baixou”.

“Independentemente da atualização dos tarifários, este é o sistema de gestão em baixa onde a água é mais barata, em comparação com todos os outros [sistemas naquela região]”, vincou, na altura.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

As mais vistas

- Publicidade -

Mais notícias

Corpo de jovem em estado de decomposição encontrado no rio Mira em Odemira

O corpo de um jovem de 20 anos em adiantado estado de decomposição foi encontrado hoje no rio Mira, no concelho de Odemira, distrito...

Redondo: Biblioteca Municipal mostra o “Carnaval através dos Tempos”

A Biblioteca Municipal de Redondo tem patente, até dia 28 de fevereiro a exposição documental e fotográfica "Carnaval através dos Tempos". Nesta exposição mostra o...