Trio Odemira: “A música popular portuguesa deve muito Júlio Costa”, diz Ministra da Cultura

Trio Odemira

Depois da morte de mais um elemento do Trio Odemira, a Ministra da Cultura emitiu esta manhã uma nota de pesar ao falecimento de Júlio Costa.

Graça Fonseca “lamenta profundamente a morte do músico e intérprete Júlio Costa (1935-2021), que, com o irmão Carlos Costa, fundou o Trio Odemira, numa das colaborações mais emblemáticas e produtivas da música popular portuguesa.”

Diz a Governante que “a música popular portuguesa deve muito Júlio Costa e ao trabalho conjunto do Trio Odemira, exemplo maior de uma conjugação entre o cancioneiro português e a expressão maior da música popular das mais diversas culturas e origens. Ao longo dos anos Júlio Costa, juntamente com os seus cúmplices, foi o rosto e a marca de um modo de contar a história dos povos e das comunidades e, também, de através da música, as dar a conhecer e preservar.”

“No imaginário de várias gerações de portugueses, fica a memória de um reportório pleno de encontros entre as mais profundas tradições e a capacidade de, ao se narrarem histórias, se poder prolongar, no fazer contemporâneo, os sons de tantas memórias coletivas a que o conjunto deu novos caminhos”, destacou ainda Grança Fonseca.

Na nota de pesar é ainda referido que “o Trio Odemira é indissociável do talento e da criatividade de Júlio e Carlos Costa, os fundadores desta banda que a história da música popular portuguesa recordará sempre pelo exemplo de quem votava a esta arte uma dedicação inabalável”, acrescentando que “na voz de Júlio Costa, chegou-nos um mundo e, também, o nosso mundo chegou a outros. Percorreram o país e o estrangeiro, levando Portugal e as suas memórias nas músicas, muito em particular as sonoridades do Alentejo, mas aprendendo permanente e incorporando na sua, as tradições de muitos outros.”