“Sousel não esteve à espera das últimas modas”, diz Sec. de Estado sobre Centro de Recolha Oficial de Animais

Secretário de Estado Carlos Miguel

Como já noticiámos, o Município de Sousel inaugurou, esta sexta-feira, o Centro de Recolha Oficial (CRO) de Animais de Sousel. O ato inaugural decorreu com a presença do Secretário de Estado Adjunto e do Desenvolvimento Regional, Carlos Miguel, e do presidente da Câmara Municipal de Sousel, Manuel Valério, o presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo, Roberto Grilo, entre outras entidades locais e regionais.

Em declarações a’ODigital.pt, Carlos Miguel, Secretario de Estado Adjunto e do Desenvolvimento Regional, começou por dizer que “Sousel não esteve à espera das últimas modas, não teve com desculpas e aproveitou uma oportunidade para ter um financiamento central de forma a resolver um problema local, nomeadamente no que diz respeito ao bem-estar animal”.

Carlos Miguel acrescenta ainda que “o nosso futuro é pensarmos globalmente e agirmos localmente. Os ministérios devem pensar nas coisas, as direções gerais devem criar eficácia para essas mesmas coisas, mas depois elas só acontecem se tivermos autarcas e autarquias dispostas a efetivá-las no terreno e temos lutado muito nesta consciencialização de trabalhar em parceria Administração Central e Administração local e hoje em dia começa-se a ver muitos frutos desse trabalho.”

Já sobre o equipamentos de recolha de animais, o Governante explica que “ em 2018 assinamos 17 protocolos de apoio alguns ainda não se efetivaram, na sua maioria efetivaram-se e este é um deles”, acrescentando que “hoje vimos ainda animais instalados naquilo que eram condições antigas que não eram as perfeitas e vemos as condições que eles vão ter já a partir de hoje, que são totalmente diferentes e que lhes proporcionará uma vida totalmente diferente.”

Já sobre o fato deste equipamento passar a ser gerido por uma associação, o Secretário de Estado afirma que “este é o caminho, associarmos pessoas ao município e por isso elogiei muito o fato de o Município de Sousel ter encontrado um parceiro, uma associação específica que acabará por fazer a gestão, ou seja, temos aqui um terceiro interessado, preocupado e especializado em parceria com o município para resolver e dar uma melhor resposta a este problema.”

Já sobre o fato de neste programa o Governo dar preferência a pequenos equipamentos municipais, Carlos Miguel salienta que “os municípios são autônomos e associação e são autônomos nas soluções que encontram e até nas associações que pretendem, mas o governo não tem nada contra infraestruturas que sejam intermunicipais, antes pelo contrário, mas neste programa aquilo que se pretendeu foi estruturas mais contidas, estruturas que pudessem juntar um ou dois municípios quando fossem pequenos em território em área e em população, mas essencialmente dirigidas a soluções municipais, porque uma mega estrutura irá sempre exigir também muita gente envolvida, muitos veterinários, muitos auxiliares, muitos tratadores, muito espaço e isso custa muito dinheiro. Por isso uma estrutura destas é muito mais ligeira, muito mais maleável, muito menos onerosa para o Município.”