Segundo a ANACOM, Alentejo cresceu acima da média em subscrições de serviços de alta velocidade fixo

Redes de Alta Velocidade

O Alentejo foi uma das regiões que mais cresceu no número de subscrições de serviços de alta velocidade fixo, de acordo com os dados da ANACOM.

Cerca de 78,1% das famílias tinham subscrições de serviços de alta velocidade fixo no final do primeiro semestre, totalizando 3,2 milhões clientes, mais 9,3% do que no período homólogo, divulgou hoje a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom).

De acordo com os dados estatísticos sobre a evolução das redes de alta velocidade, nos primeiros seis meses deste ano “cerca de 78,1% das famílias dispunham de subscrições de serviços de alta velocidade em local fixo”.

As regiões de Lisboa (93%), Açores (89,1%), Madeira (87,2%) e Algarve (79,3%) são as que registam “penetrações acima da média”, refere o regulador.

Já o Norte (74,8%), Centro (68,1%), e Alentejo (57,9%), “em que a penetração destes serviços é mais baixa, cresceram acima da média nacional”.

No período em análise, “o número de clientes residenciais de serviços de alta velocidade em local fixo atingiu 3,2 milhões, mais 9,3% do que no mesmo período do ano anterior, no qual atingiu 9,5%”.

A Anacom refere que “pelo menos oito em cada 10 novos clientes de redes de alta velocidade contrataram um serviço suportado em redes de fibra ótica (FTTH)”.

Segundo o regulador, “estima-se que cerca de 5,8 milhões de alojamentos estavam cablados com uma rede de alta velocidade, mais 5,3% que no mesmo semestre do ano anterior”, apontando que o crescimento “verificado foi superior ao registado há um ano (5,0% em termos homólogos)”.

Relativamente à cobertura das redes de alta velocidade, esta foi de 90,6%, mais 4,3 pontos percentuais do que no final dos primeiros seis meses do ano passado.

“Por região, a cobertura na área metropolitana de Lisboa, nos Açores e na Madeira foi superior à média nacional”, mas, “por outro lado, realça-se o crescimento do número de alojamentos cablados verificado no Algarve (14,8%), Alentejo (+9,7%), Norte (+6,7%) e Centro (+5,8%), regiões onde a cobertura de redes de alta velocidade se aproximou da média nacional, reforçando-se assim a coesão territorial”, acrescenta o regulador presidido por João Cadete de Matos.

“O número de alojamentos cablados com FTTH ascendeu a cerca de 5,6 milhões, mais 8,5% do que no período homólogo, tendo atingido uma cobertura de 87,6%”, acrescenta, no comunicado divulgado no seu ‘site’.

Nos últimos cinco anos, os alojamentos cablados com fibra ótica têm aumentado a um ritmo médio anual de 8,7%, refere a Anacom.

O número de alojamentos cablados com acessos de alta velocidade suportados em redes de televisão por cabo cresceu 0,1% em termos homólogos, totalizando 3,7 milhões (cobertura deste tipo de redes era de 57,5%).