Sexta-feira, Dezembro 9, 2022
Pub

Seca: Ano “péssimo” para a produção de porco alentejano

- Publicidade -
- Publicidade -

Os produtores de porco alentejano estão a ter um ano “péssimo” para a engorda dos animais, devido à seca e à falta de pastagens para alimentar os animais, revelou hoje o presidente da associação de criadores.

“A situação está muito complicada”, pois “está a ser um ano agrícola muito seco”, o que prejudica “muito a montanheira”, em que os animais são alimentados e engordados no montado, disse à agência Lusa Nuno Faustino, presidente da Associação de Criadores de Porco Alentejano (ACPA), com sede em Ourique, no distrito de Beja.

A ACPA representa cerca de 50 produtores e comercializa uma média de 7.000 animais por ano, sobretudo para a indústria do presunto em Portugal e Espanha.

Segundo este responsável, “em termos médios”, os porcos alentejanos estão este ano “com menos 15 a 20 quilos do que era suposto ter se a situação fosse normal”.

“E a partir de meados de janeiro ainda se notou uma maior deficiente engorda, sobretudo pelas temperaturas mais elevadas que se verificaram”, acrescentou.

Para Nuno Faustino, esta realidade representa uma quebra nos rendimentos dos produtores “de 35 a 50 euros a menos por porco”, explicando que o valor pago por arroba espanhola (11,5 kgs) ronda atualmente “os 36,4 euros”.

A juntar a isto, acrescentou, tem-se verificado um “aumento brutal dos custos de produção”, nomeadamente rações e combustíveis.

Perante este quadro, o presidente da ACPA admitiu que a atividade pode estar em risco, uma vez que “as explorações estão a reduzir o número de animais em montanheira” e “há produtores que já queriam vender os animais, mesmo antes da próxima montanheira”.

“Estamos a afundar-nos cada vez mais e não tenho dúvidas de que vai haver um abandono de muitos produtores”, concluiu.

Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), em janeiro “verificou-se um agravamento muito significativo da situação de seca meteorológica, com um aumento da área e da intensidade, estando no final do mês todo o território em seca, com 1% em seca fraca, 54% em seca moderada, 34% em seca severa e 11% em seca extrema”.

Ainda de acordo com o IPMA, em relação à precipitação, janeiro de 2022 foi o 6.º mais seco desde 1931 e o 2.º mais seco desde 2000.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

As mais vistas

Mais notícias

Vila Viçosa: Autarquia e Forças Armadas assinam protocolo para fortalecer candidatura a Património Mundial (c/fotos)

A Câmara Municipal de Vila Viçosa e o Estado Maior General das Forças Armadas assinaram, esta quinta-feira, um protocolo de colaboração no âmbito da...

Governo transferiu para os municípios 104 ME em atraso do Fundo Social Municipal

O Governo transferiu recentemente para os municípios 104 milhões de euros no âmbito do Fundo Social Municipal (FSM), verbas relativas a 2019, 2020 e...