Reg. de Monsaraz: “A ideia que temos é que a infecção está instalada na comunidade”, afirmou Augusto Santana de Brito

Depois do surto de Covid-19 detectado num lar em Reguengos de Monsaraz, as Autoridades de Saúde do Alentejo realizaram, este sábado (20 de Junho), uma conferência de imprensa a fim de esclarecer toda a situação e também alertar a população.

Nesta conferência estiveram presentes o Presidente da Administração Regional de Saúde, José Robalo, a Autoridade Regional de Saúde do Alentejo, Filomena Araújo e a Autoridade Local de Saúde do ACES Alentejo Central, Augusto Santana de Brito.

Em declarações aos jornalistas a Autoridade Local de Saúde do ACES Alentejo Central, Augusto Santana de Brito, começou por explicar que “no dia 18 soubemos de um caso positivo, porque houve uma senhora [utente do lar] que foi deslocada aqui para o Hospital de Évora e deu positivo”, acrescentando que após o teste positivo “iniciamos logo a investigação e conseguimos testar todos os funcionários e residentes no lar em Reguengos de Monsaraz, essas colheitas foram feitas em dois tempos, nos dias 18 e 19 e já temos neste momento o resultado de quase totalidade dos testes e os números são, a totalidade dos residentes foram 83 pessoas e 105 funcionários, ou seja, todos foram testados”, tendo destes testes resultado “um conjunto de positivos, dos quais 40 residentes e 16 funcionários

Sobre o que se está a fazer em concreto, na sequência destes casos, Augusto Santana de Brito referiu que “continua a investigação epidemiológica, ou seja, estamos a analisar pessoa a pessoa, os contactos dessas pessoas, dentro do lar e na comunidade, para definir situações de risco que eventualmente poderão implicar a intervenção de novas testagens nesses contactos para determinar se as pessoas ficaram infectadas”.

Neste momento foram tomadas umas primeiras decisões, nomeadamente, “todos os positivos e os seus contactos estão isolados, na instituição ou nas suas residências; terminaram as visitas; foi decido que as actividades de  conjunto, como refeições e outros, também cessaram; e por precaução também cessou a actividade da creche; está em criação uma área delimitada que vai possibilitar separar completamente os positivos residentes dos não positivos e a constituição de equipas dedicadas; reforçou-se as medidas de desinfecção e higienização; houve o reforço do pessoal do lar, que foi garantido pela segurança social e que vão começar a trabalhar na estrutura”, adiantou Augusto Santana de Brito.

O responsável, referiu ainda que “a investigação vai continuar, nós já temos referenciados contactos noutras áreas do concelho e noutros concelhos. No concelho a ideia que temos é que a infecção está instalada na comunidade, portanto, deixava aqui uma lembrança para todos terem muita atenção às medidas de protecção dos próprios e dos outros, porque não estamos em altura de facilitar as coisas.”

Questionado se é necessário deixar um alerta à população, Augusto de Brito referiu que “é isso que eu acho principal neste momento, é alertar as pessoas residentes no concelho e não só, que estamos numa altura em que não podemos facilitar”, deixando claro que “é muito possível que nos surjam mais casos positivos”.

Sobre se, na sequência destes casos, poderá haver um contágio a outros concelhos, Augusto Santana de Brito disse que “a única coisa que posso dizer é que já identificamos contactos de pessoas infectadas do concelho de Reguengos noutros concelhos, por exemplo Mourão”.