“Quando nós estamos nos cargos, totalmente voluntários e totalmente disponíveis para ajudar o próximo, tudo vale a pena”, diz Provedor da Misericórdia de Borba (c/som e fotos)

A Santa Casa da Misericórdia de Borba comemorou esta terça-feira, 18 de Junho de 2019, o seu 495º Aniversário.

Para assinalar a efeméride promove durante toda a semana um conjunto de actividades abertas a toda a comunidade.

Na tarde desta terça-feira, decorreu no Pavilhão Multiusos da Aldeia Social uma tarde musical com o Grupo Coral Voz do Alentejo da Quinta do Conde e a Tuna da Universidade Sénior da Misericórdia de Borba, sendo que no final houve bolo de aniversário e o Cantar dos Parabéns.

ODigital.pt esteve presente neste dia importante para a Instituição e falou com o Provedor, Rui Bacalhau, que começou por recordar que “houve um conjunto de borbenses que faz hoje 495 anos, que receberam a carta, na altura no poder monárquico, para a instituição da Misericórdia de Borba e efectivamente esses borbenses estavam certos, porque eles sabiam que a Misericórdia de Borba ia ser necessária ao longo destes anos”, salientando que “ao longo destes 495 anos, a Misericórdia de Borba passou por maus, bons e passou por tudo um pouco, nomeadamente por crises, por períodos de fome, períodos de abundância, por tudo um pouco e obviamente ela persistiu e perdurou ao longo dos tempos.”

Para Rui Bacalhau, o assinalar desta efeméride serve para “recordar esses homens que há 495 anos tiveram essa magnifica ideia de solicitar ao poder monárquicos para poderem criar uma instituição para ajudar os mais desprotegidos e desfavorecidos. Felizmente passando por este período todo, a Misericórdia continua com o mesmo desígnio ajudar os mais desprotegidos e mais desfavorecidos.”

Questionado se a Misericórdia de Borba é de facto uma necessidade para a comunidade de Borba, o Provedor afirma que “a Misericórdia é fulcral e crucial em Borba, a Misericórdia resolve os problemas da população de Borba”, acrescentando que “dá guarida a todas as crianças até aos 3 anos, começa a ensinar-lhes, em conjunto com os Pais, a forma de se enquadrarem na sociedade. A misericórdia tem um jardim-de-infância, que também as prepara para a sua vida escolar. A Misericórdia ao longo da sua juventude e ao longo da sua vivência de período activo contribui para a família poder desfrutar da Misericórdia. Na área social, responde não só aos idosos institucionalizados, aos idosos em apoio domiciliário, aos idosos de centro de dia, no centro de fisioterapia, no centro de atendimento que diariamente fala com a população necessitada e desfavorecida e encaminha-lhe as melhores soluções e ainda temos também uma área cultural e religiosa que dá acompanhamento à população.”

Dentro deste espirito todo, acho que a Misericórdia é fulcral para o Município de Borba e aquilo que temos de fazer é estar junto da comunidade e estar sempre disponível para fazer parcerias como hoje estamos aqui a fazer”, concluiu Rui Bacalhau.

Sobre o futuro da instituição, o dirigente diz que “estamos a criar condições para a Misericórdia perdurar por mais 500 anos. Felizmente as estruturas estão montadas, mas quero enaltecer duas partes, nomeadamente os utentes e as suas famílias, nós neste momento temos 132 pessoas institucionalizadas como utentes de lar e se tivéssemos 300, estavam todas cheias, e obviamente que as famílias têm de ser compreensivas connosco. Outra segunda parte são os colaboradores, nada se faz sem os colaboradores, que são uma peça fulcral e felizmente temos muito bons colaboradores em número bastante significativo e estamos sempre disponíveis para naturalmente os órgãos sociais, os colaboradores e os utentes, uma simbiose e entreajuda entre estes três vectores para se criar um bom ambiente e para continuarmos a ser uma instituição de referencia e como referencia, para não sermos mais uma.”

Sobre novos projectos, o provedor não adianta muito, dizendo apenas que “é uma no de fim de mandato e por isso criamos condições para aquisição do espaço que fica contiguo à aldeia social e estamos a criar parcerias com outras instituições para novos projectos, mas não vou transmitir novos projectos porque é um ano eleitoral e de fim de mandato, digo só que estamos neste momento a lutar arduamente para estruturar a Misericórdia de Borba, para continuar a ter qualidade no serviço que prestamos à comunidade.”

Instado se vale a pena ser Provedor da Misericórdia de Borba, Rui Bacalhau é perentório e diz “quando nós estamos nos cargos, totalmente voluntários e totalmente disponíveis para ajudar o próximo, tudo vale a pena.”