Programa Valorizar: É no “Alentejo que conseguimos identificar muito do que procuramos no contexto nacional” (c/som)

Programa Valorizar: É no “Alentejo que conseguimos identificar muito do que procuramos no contexto nacional” (c/som)

Conforme noticiámos, no dia de ontem (29 de Setembro),a Secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, esteve no Alentejo para a cerimónia de assinatura de contratos no âmbito do Programa Valorizar.

No auditório do Colégio do Espírito Santo, Universidade de Évora, foram assinados entre o Turismo de Portugal, municípios, juntas de freguesia e empresários, vinte e quatro contratos de financiamento no âmbito do Programa Valorizar, cujos apoios cobrem áreas de investimento ligadas à criação de redes de autocaravanismo, turismo literário – estas de iniciativa da própria Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo – turismo náutico, enoturismo e valorização turística de recursos endógenos.

Segundo anunciado, os projectos contratualizados, que abrangem territorialmente todo o Alentejo e Lezíria do Tejo, representam um volume de investimento na ordem dos 7M€, para um apoio público do Turismo de Portugal que ascende a mais de 4M€.

Nas palavras proferidas à imprensa, a Secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, começa por referir que “o Programa Valorizar é um programa que funciona em calls e esta última call, que decorreu em novembro do ano passado, viu aqui hoje uma fase importante que foi a celebração dos contratos de investimento relativos a essa call. No caso do Alentejo estamos a falar no total de 27 projetos sendo que 24 foram celebrados”.

Rita Marques revela que “temos como intenção lançar uma nova call do Valorizar com uma dotação orçamental específica, que ainda não está definida, mas seguramente será superior a 10 milhões de euros”, referindo ainda que até agora o Valorizar “já financiou cerca de 750 projetos, 100 milhões de euros de financiamento atribuído a fundo perdido.”

Sobre a próxima cal, a Governante salienta que “vai ser lançada até ao final do ano”, explicando que “tipicamente está aberta durante umas semanas, alguns meses também, de forma a podermos trabalhar quer com os municípios, quer com os autarcas das várias regiões, quer também com os operadores económicos já que ambas as entidades públicas e privadas são elegíveis e temos de ter sempre aqui uma preocupação de trabalhar previamente os projetos, no sentido de alavancar aquilo que estamos a trabalhar que é justamente projetos colaborativos de eficiência coletiva que possam aportar valor para os territórios.”

Já sobre a diversidade de projetos aprovados, a Secretária de Estado do Turismo destaca essa ser “uma das mais valias do Alentejo é que conseguimos identificar neste território muito daquilo que procuramos no contexto nacional, portanto, conseguimos ter aqui uma boa montra da diversidade de que Portugal encerra no que toca à oferta turística.”

Sobre os projetos contratualizados esta terça-feira, Rita Marques lembra que são “projetos de enoturismo, projetos do turismo literário, projetos de Recursos Endógenos, enfim de vários ativos que podem ser trabalhados no território, também as áreas de serviços de autocaravanas têm sido uma das prioridades dessa Secretaria de Estado e portanto, realmente o Alentejo tem esta elasticidade que muito nos orgulha e que deve ser naturalmente nutrida e acarinhada.”