Programa cultural promove inclusão de populações excluídas no Alentejo Central

Projeto cultura da CIMAC

Um programa cultural para promover a inclusão social de populações excluídas ou isoladas, num contexto rural e de baixa densidade populacional, vai ser desenvolvido em 14 municípios alentejanos, anunciou a Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central (CIMAC).

O “Transforma – Programa para uma Cultura Inclusiva do Alentejo Central” será cofinanciado pelo Fundo Social Europeu Alentejo 2020 e, de acordo com uma nota de imprensa enviada à agência Lusa, “pretende promover a inclusão social” do público-alvo através de “um programa inovador que poderá contribuir para a correção de desigualdades ou assimetrias sociais”.

Num momento em que Évora prepara uma candidatura a Capital Europeia da Cultura em 2027, agregando nos seus objetivos o desenvolvimento integrado de toda a sub-região, o Transforma é uma oportunidade única para promover um acesso generalizado à cultura”, é referido num comunicado da organização.

O evento será, ainda, uma oportunidade para capacitar “agentes e organizações locais para que acompanhem também uma crescente integração de novos públicos” na cultura.

Composto por “dois subprogramas interligados” que assentam em “duas lógicas de intervenção com vista à dinamização de estratégias de inclusão local”, o Transforma será implementado até março de 2023.

O primeiro subprograma “pretende atuar nas condições e no contexto das estruturas e organizações que atuam ou podem vir a atuar na promoção da inclusão social por via da cultura”.

O segundo, mais operativo, tem como objetivo “implementar experiências sociais de inclusão pela cultura, direcionadas para os grupos-alvo em causa”.

Nesse sentido, serão promovidos quatro debates itinerantes por ano, no Alentejo Central, sobre temas culturais como as artes performativas, artes visuais, audiovisual, produção artesanal e cultura literária.

O programa integra também a realização de sete ‘workshops’ por ano “com vista a aumentar a capacidade de criação e gestão de projetos de inclusão social por via da cultura” nos vários municípios do Alentejo Central.

Será ainda promovida uma conferência internacional subordinada ao tema da “Inclusão Social pela Cultura”, com a participação de oradores nacionais e internacionais que, através dos seus conhecimentos, possam “partilhar experiências, divulgar boas práticas, estudar e avaliar modelos de implementação” que contribuam para o desenvolvimento da região.

O Transforma integra, também, 26 ações de inclusão pela cultura para “promover a inclusão social por via das artes, que abrangem os 14 municípios da CIMAC: Alandroal, Arraiolos, Borba, Estremoz, Évora, Montemor-o-Novo, Mora, Mourão, Portel, Redondo, Reguengos de Monsaraz, Vendas Novas, Viana do Alentejo e Vila Viçosa”.

Outra vertente inovadora do Transforma será a “Prescrição Cultural”, a desenvolver com o setor da saúde, que pretende “experimentar processos de prescrição cultural complementares à prescrição médica”.

Além disso, um plano de “Educação para a Cultura” irá promover “o desenvolvimento de iniciativas alinhadas com a estratégia definida no Plano Nacional das Artes”, articulando instituições e comunidades “com vista à promoção da literacia, da interculturalidade” e interação geracional.

O conjunto de atividades que compõem o Transforma tem como destinatários os grupos de exclusão social identificados no Diagnóstico Social do Alentejo Central, realizado pela CIMAC em 2017.

Apesar destes grupos prioritários, os conteúdos que integram o Programa Transforma visam envolver as comunidades do Alentejo Central de forma alargada, contribuindo, desta forma, para uma verdadeira inclusão através da cultura”, acrescenta a CIMAC.