Produzir Hidrogénio no Alandroal? Pode ser possível após investimento superior a 300M€

Hidrogénio no alandroal

A portuguesa Hyperion pretende produzir hidrogénio no Alentejo e Setúbal a partir de fontes renováveis e com o objetivo de exportar para Espanha ou via porto de Sines, fornecer a indústria e injetar na rede de gás natural.

A Hyperion tem projetos acima dos 300 milhões de euros para a produção de hidrogénio verde em Portugal. A companhia portuguesa quer desenvolver duas centrais localizadas em Setúbal, e no Alandroal, distrito de Évora, para produzir este gás a partir de fontes renováveis.

O maior dos dois projectos está planeado para o Alandroal onde estará a maior central, com um investimento estimado na ordem dos 300 a 400 milhões de euros.

O objetivo é construir, de “forma gradual”, uma central cuja capacidade de potência pode ir dos 100 megawatts (MW) até aos 250 MW de eletrolisadores, revela ao Jornal Económico (JE) o diretor da Hyperion, Bernardo Roque.

Já sobre a produção anual, e ao mesmo jornal, Bernardo Roque disse que “ainda existem muitas variáveis por definir”.

Para a produção do hidrogénio verde, via electricidade renovável, a empresa quer uma central solar com 250MW e uma central eólica com capacidade de 100MW.

O arranque da construção será 2022/23 e o arranque da produção em 2023/24.

O objetivo desta central é a exportação do hidrogénio através do transporte ferroviário: ou para Espanha ou para outros países via porto de Sines, explica o Económico, sobre a central do Alandroal.

Sobre o financiamento dos projetos, o responsável adiantou que esta questão “está muito dependente dos apoios que sejam confirmados a estes projetos, tanto nacionais como a nível europeu, por forma a viabilizar estes projetos”.

A empresa está a “trabalhar num consórcio estratégico com empresas relevantes no sector, que será divulgado em breve”, acrescentou.

Além do hidrogénio, a Hyperion tem vários projetos na área da energia solar fotovoltaica e encontra-se atualmente a construir três centrais: Lagos (49 MW), Moura (49 MW) e Santarém (23 MW). Outras três centrais estão ainda em fase de desenvolvimento: Triana (21,6 MW), Sousel (43,2 MW) e Ermidas do Sado (6,1 MW). Outras nove centrais desenvolvidas pela Hyperion já se encontram em operação, mas não necessariamente operadas pela empresa, com uma potência instalada de 200MW.

Fonte: Jornal Económico