PJ investiga homicídio de mulher em alegado assalto na vila de Alcáçovas

Policia Judiciária

A Polícia Judiciária (PJ) disse hoje está a investigar “o homicídio” de uma mulher, de 57 anos, ocorrido esta madrugada em Alcáçovas, no concelho de Viana do Alentejo (Évora), na sequência de um alegado assalto.

O homicídio foi comunicado a PJ, que está a proceder à investigação”, disse à agência Lusa fonte desta força de investigação criminal.

Questionada sobre se a morte da mulher aconteceu durante um assalto à habitação onde morava com os pais, um casal de octogenários, os quais sofreram ferimentos ligeiros, a mesma fonte limitou-se a indicar que “estão a ser investigadas todas as circunstâncias que envolvem o homicídio”.

Outra fonte policial, contactada pela Lusa, indicou que, efetivamente, as autoridades “suspeitam de um assalto”.

A mulher, de 57 anos, morreu hoje na sequência de agressões sofridas durante um alegado assalto a uma residência em Alcáçovas, disseram fontes dos bombeiros e da Proteção Civil.

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Évora indicou à agência Lusa que o alerta para uma ocorrência envolvendo agressões numa habitação foi dado às 03:17, daí resultando uma vítima mortal e dois feridos ligeiros.

A mesma fonte precisou que o corpo da vítima mortal foi transportado para o Gabinete Médico-Legal de Évora, enquanto os feridos ligeiros, um homem e uma mulher na casa dos 80 anos, foram encaminhados para o hospital da mesma cidade.

Contactado pela Lusa, o comandante dos Bombeiros de Viana do Alentejo, Miguel Fadista, contou que os dois idosos relataram aos elementos da corporação que as agressões tinham ocorrido durante um assalto à residência.

Segundo o comandante da corporação, quando os bombeiros entraram na casa encontravam uma mulher, filha do casal de idosos, “deitada numa cama” e “em paragem cardiorrespiratória e com ferimentos na cara”.

A idosa também apresentava ferimentos na cara, enquanto o homem queixava-se dos olhos, adiantou Miguel Fadista.

As operações de socorro mobilizaram elementos dos bombeiros, do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), GNR e PJ, num total de 16 operacionais, apoiados por oito viaturas.