Obra do Centro de Inteligência Competitiva de Campo Maior deverá terminar este ano – Autarca

Campo Maior

A obra do Centro de Inteligência Competitiva (CIC) de Campo Maior (Portalegre) deverá ficar concluída ainda este ano, após um investimento de cerca de um milhão de euros, anunciou hoje o presidente do município.

Nós acreditamos que dentro dos próximos seis meses que o CIC, para além de ver terminar a obra física, também possa estar terminada em termos de equipamento”, disse aos jornalistas, no decorrer de uma visita à obra, o presidente da Câmara de Campo Maior, João Muacho.

O CIC é um projeto de investigação e inovação “à escala do Alentejo”, centrado na valorização do conhecimento, pelos dados e a sua transferência para a atividade económica e empresarial dos setores e fileiras dos recursos endógenos, com vista ao desenvolvimento tecnológico das empresas, à sua internacionalização e à promoção da competitividade nos mercados nacionais e internacionais.

Pretende-se, através da análise e gestão de informação e da ciência dos dados, de forma analítica, criar uma vantagem competitiva, transferindo este conhecimento para as empresas, processando-se no desenvolvimento tecnológico dos seus produtos e serviços, adaptando-os a novos padrões de procura e tendências de mercado, seja por exemplo uma nova embalagem, uma utilização diferenciadora do produto ou até uma nova solução de armazenagem.

No decorrer da visita à obra, João Muacho, acompanhado pelos secretários de Estado do Planeamento e da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Ricardo Pinheiro e João Sobrinho Teixeira, respetivamente, disse ainda aos jornalistas que este projeto “é estruturante” para a região e para o país, no campo da análise de dados.

Queremos trazer até aqui técnicos superiores da área da informática e dos dados, que possam trabalhar e dar corpo ao que queremos desenvolver em Campo Maior neste momento”, disse.

De acordo com o autarca, o CIC, que vai ficar instalado na antiga Escola do 1.º Ciclo da Cooperativa, vai servir para “dinamizar” a análise dos dados de informática, para que depois as empresas possam ali “beber conteúdos” e “transformá-los em mais valias”.

O projeto, que envolve ainda a Universidade Nova de Lisboa e o Instituto Politécnico de Portalegre (IPP), prevê criar “dentro de um ano, ano e meio”, segundo João Muacho, “perto de 15 a 20” postos de trabalho.

O secretário de Estado do Planeamento e antigo presidente da Câmara de Campo Maior, Ricardo Pinheiro, destacou no decorrer da visita a importância do projeto a nível nacional.

O CIC tem como objetivo criar um dos primeiros algoritmos de reconhecimento de perfis feito em Portugal, tanto do ponto de vista da programação, como do acesso aos dados, como do ponto de vista do cálculo matemático. Colocar isto ao serviço das empresas, não só do Alentejo, mas também à escala nacional, é um projeto altamente diferenciador”, disse.

Já o secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, João Sobrinho Teixeira, considerou o projeto “interessante” e “válido”, pela valorização “que ainda não tinha sido abordada”, por exemplo, em torno dos produtos endógenos.

Vamos poder adquirir dados e ter dados para perceber de que forma é que estes produtos [endógenos] podem ser colocados em diversos mercados e a ideia, acho, muito boa”, disse.

João Sobrinho Teixeira deixou ainda um desafio no decorrer da visita, nomeadamente para que seja criada uma academia na área do digital, da transferência de conhecimento e tecnologia da área do ensino superior para as empresas.

O CIC é um projeto cofinanciado pelo programa Alentejo 2020, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), conta com um investimento de cerca de um milhão de euros, financiado a 85%, assegurando o município o valor da contrapartida nacional.