O turismo ferroviário vai conseguir alavancar “maior fluxos turísticos”, disse Rita Marques

Secretária de estado do Turismo

A Turismo Fundos lançou hoje os concursos para a reabilitação e exploração de seis antigas estações ferroviárias inseridas no Fundo Revive Natureza, cujas candidaturas podem ser apresentadas até 26 de janeiro de 2022.

Três dos imóveis localizam-se no distrito de Évora, mais precisamente as estações de Vale de Paio e Vimieiro, no concelho de Arraiolos, e de Montoito, no concelho de Redondo.

Os outros são a Estação de Represas, no concelho e no distrito de Beja, e as estações de Sousel, no concelho de Sousel, e de Vale do Peso, no concelho de Crato, no distrito de Portalegre.

A cerimónia de lançamento dos concursos destas seis estações, de um total de 26 imóveis, decorreu hoje na Estação de Vale do Peso, em Crato.

Os concursos destes primeiros seis imóveis estações incluem, além dos edifícios de passageiros, também cais cobertos, armazéns, habitações e terrenos adjacentes.

Na cerimónia, a secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, explicou aos jornalistas que o programa Revive Natureza tem decorrido de forma positiva, dando “alento” para esta nova fase dedicada à ferrovia.

“A procura dos ativos lançados numa primeira fase do REVIVE Natureza, no que toca a casas de guardas fiscais e postos florestais, foi imensa”, destacou.

Segundo a governante, foram recebidas “mais de 320 propostas”, o que leva a acreditar que, “no que toca à ferrovia”, haverá “o mesmo apetite por parte dos operadores económicos”.

Rita Marques considerou que este setor de mercado, ligado ao turismo em antigas estações ferroviárias, poderá ser “mais um atrativo” e “um ativo” para juntar a outras áreas como as praias fluviais ou o enoturismo.

O turismo ferroviário vai conseguir alavancar “maior fluxos turísticos” nestas regiões e conquistar um “maior número de noites” por partes dos turistas nesses territórios, argumentou.

A secretária de Estado do Turismo disse ainda que, dos concursos lançados no âmbito do Revive Natureza, “18” já estão encerrados, devendo ser criados “96 postos de trabalho” e encaixados “292 mil euros”.

“Este valor não é muito relevante numa perspetiva orçamental do Estado. Trata-se sobretudo das consequências a montante, ou seja, a nível da criação de postos de trabalho e a nível de riqueza nos territórios”, disse.

Esta é a quarta fase de lançamento do Fundo Revive Natureza, antes foram lançados concursos de antigas casas de guardas-florestais e de postos da antiga Guarda Fiscal devolutos.

Fonte do Fundo Revive Natureza explicou à Lusa, de um total de 43 imóveis desta natureza identificados, já foram lançados concursos para 29 (18 deles fechados).

O Revive Natureza visa a requalificação e valorização de imóveis públicos devolutos, com o objetivo de compatibilizar a conservação, recuperação e salvaguarda dos valores em causa com novas utilizações, que beneficiem as comunidades locais e atraiam novos visitantes e fixem novos residentes.

Este projeto, fruto da celebração de um protocolo entre a Infraestruturas de Portugal (IP) Património e o Fundo Revive Natureza, comporta a atribuição de direitos de subconcessão das estações de caminho-de-ferro com “vista à sua requalificação e reabertura” no contexto de atividades económicas relacionadas com o turismo.