Nisa: Albergaria Penha do Tejo pode vir a ser alienada a investidores estrangeiros, adiantou autarca

presidente de nisa

Como já noticiámos, entre dos dias 16 e 20 de março decorreu mais uma edição da Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL), um certame que contou com a presença dos municípios do Alentejo que assim promoveram as suas potencialidades turísticas.

Um dos municípios que esteve presente na BTL foi Nisa que esteve a promover o seu património e as suas tradições.

ODigital.pt, que acompanhou todo o evento, falou com a presidente da Câmara Municipal de Nisa, Maria Idalina Trindade, que nos disse que a autarquia aproveitou este evento para mostrar que “o Queijo de Nisa já não é o único valor intrínseco da nossa alma, da nossa identidade em termos gastronómicos, pois, nós temos feito um investimento na requalificação do território, quer ao nível do edificado, quer ao nível daquilo que são as artérias dentro da nossa zona urbana, nomeadamente no centro histórico, requalificamos todas as ruas”, destacando “a mais bela e que é motivo de orgulho para todos nós, é um ex-líbris que chama muita, mas muita gente ao concelho de Nisa que é arte de bordar o barro com pedrinhas de quartzo só existe em Nisa em que os oleiros fazem as bilhas e as mulheres bordam as bilhas com pedrinhas de quartzo e nós de uma bilha fizemos chão, chão de beleza, chão de tradição, chão de identidade e a Rua de Santa Maria é exatamente um grande chamariz de gente ao nosso território.”

A autarca referiu que atualmente no concelho de Nisa há outro atrativo, “um trilho de encantar, com um baloiço instagramável da árvore lilás, que é diferente, que é como a Rua de Santa Maria é inovador, nós juntámos ao passeio da Sirga elementos pictóricos relacionados com a fauna do rio e a fauna do lugar.”

Nisa é uma caixinha de surpresas, não apenas com estas motivações para visitação, mas porque, quer na área daquilo que são os bordados tradicionais, como já se disse, a indústria do queijo, há toda uma série de saber fazer que nós encontramos neste belo lugar à beira-rio plantado”, indicou.

Questionada se o concelho de Nisa tem margem para crescer mais a nível turístico, Maria Idalina Trindade afirmou que “naturalmente que ainda tem muito para crescer, aliás, do ponto de vista da restauração devo confessar que até recebo reclamações de turistas que querem almoçar e os restaurantes estão cheios, querem pernoitar e os alojamentos estão cheios e deviam existir mais alojamentos e não está fora do nosso horizonte, enquanto administração autárquica, porventura investir numa infraestrutura que possa dar resposta a esta área da restauração, que não na área do alojamento, porque posso dizer aqui em primeira mão que neste momento temos a boa relação comercial com empresários estrangeiros e podemos estar muito perto de alienar aquilo que foi em tempos nos anos idos de 80, a albergaria Penha do Tejo, ali bem sobre o rio e bem junto ao trilho da Barca da Amieira”.

A edil concluiu frisando que “nós pretendemos crescer com respeito pelo meio ambiente, com respeito por um Tejo limpo e sem poluição”.