Município de Alandroal inicia processo de criação de um cartão social do bombeiro, revela autarca João Grilo (c/som)

A Câmara Municipal de Alandroal está a desenvolver um projecto de apoio aos Bombeiros do concelho, nomeadamente um “Cartão do Bombeiro”.

Um cartão que irá dar um conjunto de benefícios aos bombeiros voluntários locais, dando assim um apoio aos homens e mulheres que estão sempre prontos a ajudar a população do concelho de Alandroal.

ODigital.pt falou com João Grilo, Presidente da Câmara Municipal de Alandroal, para saber um pouco mais sobre este projecto, tendo este dito que “é um compromisso que assumimos em período pré-eleitoral, em 2017, que no caso de sermos eleitos iniciaríamos um processo de criação de um cartão social do bombeiro, que funcione como incentivo para que os jovens e as pessoas que têm alguma disponibilidade para ajudar a comunidade, se sintam apoiados.”

O Edil alandroalense refere que “queremos que exista um incentivo adicional e estamos a preparar o cartão social do bombeiro que irá dar aos bombeiros apoios nos serviços do município, dentro daquilo que é possível fazer, como acesso gratuito a equipamentos como espectáculos culturais no Fórum Cultural, Piscinas Municipais. Dar incentivo na tarifa da água, nas tarifas sociais, infelizmente não podemos ir tão longe como gostaríamos com incentivos como redução do IMI, porque estamos num plano de assistência e vamos estar durante mais 15 anos, e não estamos em condições de fazer isso.”

João Grilo adianta ainda que “estamos a estudar em conjunto com a associação de bombeiros até onde podemos ir para que quem é bombeiro e os seus familiares directos sintam que têm um apoio especial da autarquia e diferente daquele que damos aos cidadãos comuns, que vivem o seu dia-a-dia sem se dedicar à comunidade e com todo o respeito que devemos ter por eles, também.”

O autarca conclui referindo que “temos noção que num território como o nosso, os bombeiros, as câmaras municipais, as juntas de freguesia, as IPSS, as forças de segurança, todas as instituições que têm responsabilidades no território são fundamentais para a coesão, para que haja respostas, para que as pessoas se sintam seguras, e portanto se não houver coordenação entre estas entidades todas, as nossas comunidades tendem a desagregar-se e a sentirem-se desapoiadas. E sabemos que a câmara municipal, num território como o nosso, tem um papel fundamental para garantir essa coesão, para manter as pessoas unidas, para lhes dar força e incentivo. Portanto queremos que o nosso papel seja activo, forte, neste propósito. Não entendemos que a câmara deva ser apenas mais uma entidade, é a entidade com mais responsabilidade no território e  tem obrigação de ajudar os outros e agregar e para que cada munícipe sinta que vale a pena viver e trabalhar no nosso território.”