Montemor-o-Novo terá, em 2021, um orçamento de 28,5 M€

Câmara de Montemor-o-Novo

A Assembleia Municipal de Montemor-o-Novo aprovou no passado dia 18 de dezembro, por maioria, o Orçamento e Grandes Opções do Plano para 2021.

 O Orçamento Municipal para 2021 contempla uma dotação global de 28.250.000,00 euros e abrange os encargos resultantes do Plano Plurianual de Investimentos, e todos os outros encargos plurianuais resultantes do funcionamento e gestão corrente do Município.

A receita prevista para o ano de 2021 totaliza 28.250.000,00 euros, das quais 20.062.472,27 euros constituem receitas correntes, e 8.177.527,73 euros são receitas de capital.

Este Orçamento e as Grandes Opções do Plano para 2021 teve em conta: os previsíveis efeitos da pandemia COVID 19, para lá da crise sanitária, na vida económica e social do país e, naturalmente, do Concelho; o Orçamento de Estado para 2021; o processo de transferência de novas competências para a Autarquia, a partir de 1 de janeiro de 2021, com implicações na organização de serviços, na gestão de pessoal e nas despesas de funcionamento da Câmara Municipal; os elevados compromissos financeiros decorrentes de investimentos já aprovados no quadro financeiro Portugal 2020.

Segundo a Câmara Municipal, “assumimos a concretização deste Programa como uma proposta às cidadãs, cidadãos, forças políticas e instituições para um trabalho conjunto em prol de Montemor-o-Novo, de elevação da qualidade de vida do nosso Concelho, mantendo presentes os grandes desafios estratégicos para o concelho: o relançamento das dinâmicas de investimento produtivo, a estruturação e desenvolvimento do cluster agroalimentar / desenvolvimento rural e a dinamização da economia urbana em torno da Cultura e do Património Cultural, a captação de investimento, dinamização e diversificação da economia, que valorize a produção e crie emprego, a defesa da necessária Reposição das Freguesias e a exigência da concretização da Regionalização.”

A edilidade acrescenta ainda que “Montemor-o-Novo tem recursos, potencialidades, capacidades e vontade para assegurar – desde que sejam concretizadas adequadas políticas nacionais! – o necessário desenvolvimento para uma vida digna e mais justa para a generalidade dos cidadãos. É na melhoria contínua do trabalho, na procura de novas soluções, alargando parcerias, discussões e colaborações com entidades locais, regionais e nacionais, reinventando novas formas de trabalho que daremos continuidade ao nosso trabalho.”