Monsaraz: Museu Coleção Vintém foi inaugurado com dezenas de instrumentos do mundo em exposição (c/fotos)

Museu Coleção vintém

Foi inaugurado, esta quarta-feira, o Museu Coleção Vintém, na vila medieval de Monsaraz, no concelho de Reguengos de Monsaraz, no qual estão expostos instrumentos musicais de todo o mundo.

O museu está instalado na sacristia da Igreja de Santiago, em Monsaraz, espaço que anualmente recebe milhares de visitantes para apreciar a arte que ali está exposta.

Na inauguração marcou presença o proprietário dos instrumentos, Fernando de Brito Vintém, o presidente da Câmara de Reguengos de Monsaraz, José Calixto, o Vereador Jorge Nunes, o presidente da Junta de Freguesia de Monsaraz, Nuno Pinto, bem como familiares e amigos do músico.

Em declarações a’ODigital.pt, Fernando Vintém começou por contar a história do museu: “Comecei a fazer este museu com 6 anos de idade, ou seja, há mais de 50 anos que ele foi idealizado.”

“Há 10 anos, o vereador Jorge Nunes e o presidente José Calixto convidaram-me para fazer uma exposição em Reguengos de Monsaraz e arranjar um espaço para esse museu, no entanto, naquele momento não foi possível e agora ao fim de 10 anos conseguimos em Monsaraz, num espaço muito digno e aqui estamos hoje a inaugurar”.

Fernando Vintém explicou que “a música faz parte da minha vida há 50 anos, pois, sou professor há 40 anos em Évora, e portanto, sempre estive ligado há música e isto de adquirir os instrumentos é um vício”.

Já sobre a exposição patente em Monsaraz, o músico explicou que “dividi a coleção em membranofones, em idiofones, em cordofones e em aerofones, ou seja, podem ser observados flautas, guitarras, banjos, bandolins, vários instrumentos, portanto, a ideia foi fazer uma gama de instrumentos e como a coleção é muito grande, houve necessidade de dividir, e então, anualmente vai ser feita uma renovação da exposição e assim torná-la diversificada.”

“A coqueluche do museu é um ‘Antonius Stradivarius Cremonensis’ que está completamente destruído”, indicou Fernando Vintém, que referiu ainda que “adquiri este violino em 1985 e foi-me contada a história, ou seja, foi um instrumento que durou muito anos, teve a sua história e na 2ª Guerra Mundial ele foi praticamente destruído e eu comprei-o já assim, eu ainda pedi orçamento para um restauro e nos Estados Unidos pediram mais de 1 milhão de euros.”

O músico frisou ainda que “a coleção tem instrumentos musicais de todo o mundo, por exemplo temos uma Darbuka, que é um membranofone do Egipto, uma Ocarina humana do século V a.C. da ilha de Creta, entre muitos outros instrumentos. São 653 instrumentos de todo o mundo”.

Fernando Vintém concluiu dizendo que “a intenção é realmente dignificar a música, trazer as crianças e os jovens a visitar o museu. Isto é uma vida de 50 anos e é um museu que eu dedico aos meus pais, porque a eles devo tudo aquilo que eu sou enquanto pessoa e profissional, ou seja, é a minha vida que aqui está.”

Fique de seguida com as imagens da inauguração deste museu: