Sexta-feira, Agosto 19, 2022
Pub
Pub

Ministra da Agricultura elogiou papel do Alqueva na correção “de assimetrias”

- Publicidade -
- Publicidade -

A ministra da Agricultura considerou ontem que o empreendimento do Alqueva, no Alentejo, “é um caso indiscutível de sucesso”, contribuindo para a “correção de assimetrias” na região.

Alqueva tem contribuído para a correção de assimetrias de uma região deprimida e vem fazendo do recurso água, nas suas diversas valências, um instrumento de desenvolvimento sustentável”, afirmou Maria do Céu Antunes.

A governante falava numa mensagem de vídeo, gravada e transmitida no encerramento do ‘webinar’ “Gestão do Regadio no Perímetro do Empreendimento de Fins Múltiplos do Alqueva (EFMA)”, que fechou a edição de 2021 da feira agropecuária Ovibeja, em Beja.

Segundo Maria do Céu Antunes, o EFMA “não tem paralelo nos aproveitamentos hidroagrícolas tradicionais e já construídos”, sendo um “instrumento fundamental para combater a desertificação física e humana” da região alentejana.

A ministra disse ainda que o Alqueva “não se restringe ao Alentejo” e possui “uma forte dimensão nacional”, “criando condições para o desenvolvimento de atividades económicas, em especial no setor agrícola”.

Alqueva contribui “para o incremento do produto interno bruto, designadamente ao nível dos produtos transacionáveis para exportação e para a diminuição da dependência nacional do exterior em bens alimentares e energia”, acrescentou.

Na opinião de Maria do Céu Antunes, Alqueva é, por tudo isto, “um caso indiscutível de sucesso”, que o Governo quer “que continue a ser”.

Nesse sentido, lembrou que, no âmbito do EFMA, está a decorrer um investimento de 11 milhões de euros que vai permitir a ligação a Morgável e Fonte Serne e, consequentemente, ao porto de Sines.

Está igualmente prevista, no âmbito do Programa Nacional de Regadios, a criação dos circuitos hidráulicos de Póvoa-Moura (39 milhões de euros), de Vidigueira (9 milhões) e de Messejana, que permitirá também a ligação ao Monte da Rocha (19 milhões), concluiu Maria do Céu Antunes.

A edição de 2021 da feira agropecuária Ovibeja, organizada pela ACOS – Agricultores do Sul e que costuma decorrer no Parque de Feiras e Exposições de Beja – Manuel Castro e Brito, terminou hoje.

A iniciativa decorreu este ano em formato digital, ao longo de dois dias, tendo como tema “Agricultura ConsCiência” e incluindo no programa gastronomia, competições, ‘masterclasses’, espetáculos musicais e debates, além de um roteiro tridimensional (3D) pelos espaços habituais da feira.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

As mais vistas

Mais notícias

Campanha de cereais de inverno foi a 2.ª pior dos últimos 105 anos

A seca contribuiu para a segunda pior campanha de cereais de inverno dos últimos 105 anos, de acordo com as previsões agrícolas, divulgadas pelo...

Registo de galinhas poedeiras obrigatório em setembro

Os criadores de galinhas poedeiras estão obrigados a registar os seus animais em setembro, com exceção dos estabelecimentos com menos de 350 aves, indicou...