Domingo, Novembro 27, 2022
Pub

Ministra da Agricultura assegura abastecimento de cereais sem ruturas

- Publicidade -
- Publicidade -

O fornecimento de cereais vai continuar sem ruturas, assegurou hoje a ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, admitindo, no entanto, estar preocupada com a escalada de preços e a incerteza quanto à duração da guerra na Ucrânia.

“Neste momento, e atendendo ao material que está em ‘stock’, aos navios que estão a chegar e aos contratos que estão firmados, não se antevê que haja rutura no fornecimento de cereais em Portugal”, disse a ministra, em declarações hoje aos jornalistas, à margem do 8.º Congresso da Indústria Portuguesa Agroalimentar, organizado em Lisboa pela Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares (FIPA).

A Ucrânia, há mais de três meses alvo de um conflito armado lançado pela Rússia, era responsável por 40% do milho comprado por Portugal, lembrou a ministra, reforçando que os importadores nacionais, para evitar comprometer o abastecimento nacional, encontraram mercados alternativos, na América do Norte, na América do Sul e África do Sul, e que o trigo é comprado maioritariamente a França.

A ministra falou ainda sobre o observatório de preços, um projeto que o Governo anunciou em maio querer criar, afirmando a intenção de ser lançado “o mais rapidamente possível” e precisando que, neste momento, está em curso o processo de contratação da empresa responsável por fazer o levantamento de preços.

O objetivo, lembrou a governante, é o “de, forma transparente, poder mostrar que há uma distribuição justa daquilo que são os rendimentos e os preços desde a produção primária, passando pela transformação e depois até ao consumidor”.

No seu discurso, no encontro organizado pela FIPA, a ministra recordou que, numa primeira fase, o observatório arranca com um projeto-piloto com um conjunto de produtos que correspondem a um cabaz alimentar de uma família, mas que “rapidamente” o Governo quer que se alargue a todo o complexo agroalimentar.

“O objetivo é, numa fase futura, o produto que seja sustentável ao longo de toda a fileira tenha uma marca, uma chancela, para que quem chega à prateleira do supermercado possa saber verdadeiramente que, ao comprar aquele produto (…), foi justo para todos os elementos da cadeia, não deixou ninguém para trás e contribuiu para o desenvolvimento sustentável do país”, concluiu Maria do Céu Antunes.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

As mais vistas

Mais notícias

Assembleia Municipal de Marvão aprovou moção de censura ao presidente da câmara

A Assembleia Municipal de Marvão (Portalegre) aprovou, por maioria, uma moção de censura ao presidente da câmara (PSD), na sequência da decisão do Tribunal...

Ministro da Cultura destaca dimensão intergeracional do cante alentejano

O ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva, destacou hoje em Odemira, no distrito de Beja, a importância da dimensão intergeracional do cante alentejano,...