Ministério Público acusa cavaleiro João Moura de 18 crimes de maus tratos a animais

maus tratos a animais

O Ministério Público (MP) de Portalegre revelou hoje a acusação contra o cavaleiro tauromáquico João Moura, na sequência do caso de maus-tratos a animais.

Segundo revela o MP, requereu junto do Tribunal de Portalegre “o julgamento de 1 indivíduo, fortemente indiciado da prática de 17 (dezassete) crimes de maus tratos a animais de companhia e um 1 (um) crime de maus tratos a animais de companhia agravado, fatos ocorridos entre dezembro de 2019 e fevereiro de 2020, em Monforte, área desta comarca.”

Recorde-se que em fevereiro de 2020 o cavaleiro João Moura foi detido em Monforte, pela Guarda Nacional República, no âmbito de um processo crime de maus-tratos e abandono de animais de companhia, no concelho de Monforte.

Na altura a GNR relatou que “na sequência de uma investigação por maus-tratos a animais de companhia, os militares apuraram que os referidos cães se encontravam subnutridos e que não lhes eram prestados os devidos cuidados de bem estar-animal.”

A Força de Segurança adiantou ainda que “na sequência das diligências de investigação foi dado cumprimento a um mandado de busca domiciliária, o que resultou no resgate de 18 cães por se encontrarem subnutridos e sem condições de salubridade. Os animais foram recolhidos pela Câmara Municipal de Monforte, para receberem cuidados veterinários.”

O cavaleiro João Moura vai agora a julgamento.