Mega operação do SEF termina com alegada rede de Tráfico de Pessoas no Alentejo

Serviço de Estrangeiros e Fronteiras

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) levou, esta terça-feira, a cabo o cumprimento de dois mandados de detenção por suspeitas dos crimes de tráfico de pessoas, auxílio à imigração ilegal e angariação de mão de obra ilegal. Foram ainda cumpridos três mandados de busca domiciliária e seis mandados de busca a viaturas.

Segundo o SEF, “a operação “Fratello (irmão)” decorreu nas zonas de Alcácer do Sal e de Beja e levou à identificação de 15 cidadãos de nacionalidade estrangeira, oriundos do leste europeu, os quais viviam, na sua maioria, sujeitos a condições degradantes no que diz respeito às condições de trabalho, alojamento e salubridade.”

O SEF acrescenta ainda que “tratam-se de vítimas de exploração laboral, na sua maioria do sexo masculino. Os cidadãos foram devidamente sinalizadas como vítimas de tráfico de seres humanos, tendo sido disponibilizado todo o apoio necessário. No terreno, estiveram também presentes elementos da Rede de Apoio à Vítima, do Alentejo, de forma a garantir o tratamento adequado das situações ali detectadas.”

Ao que sabemos, durante as buscas, foi apreendido diverso material de prova da actividade criminosa, como dinheiro, telemóveis e computadores portáteis, assim como 11 000 cigarros artesanais, agrupados em maços de 20, que eram vendidos aos trabalhadores, cujo valor era deduzido dos salários.”

Os cidadãos detidos, irmãos, também eles oriundos do leste da Europa, recrutavam os trabalhadores a partir dos países de origem, através do aliciamento por melhores condições de vida. Já em território nacional as vítimas acabavam por ser exploradas em herdades agrícolas, na preparação da campanha da azeitona. Muitos deles acabaram privados da respectiva remuneração e com recurso a violência física.

Os detidos serão amanhã presentes ao tribunal competente para aplicação das respectivas medidas de coação.

Trata-se de uma investigação delegada no SEF pelo Ministério Público de Évora, com origem numa denúncia. No decorrer desta investigação já haviam sido sinalizadas outras cinco vítimas de tráfico, as quais se encontram actualmente em casas seguras.