Legislativas: Costa considera essencial avanço da agricultura sustentável e quer mais imigração

António Costa

O secretário-geral do PS considerou hoje que a imigração é essencial para o crescimento económico do país, salientou o aumento da produção agrícola nacional nas últimas décadas e defendeu os exemplos de agricultura sustentável em Portugal.

Estas posições foram defendidas por António Costa a meio de uma visita à empresa PaxBerry – ação de campanha que antecedeu uma receção com apoiantes no centro de Beja e em que teve ao seu lado o presidente da Câmara, Paulo Arsénio.

Neste dia de campanha no Baixo Alentejo, António Costa vestiu uma samarra, não alentejana, mas de Vinhais, Trás-os-Montes, e esteve acompanhado pela sua mulher Fernanda Tadeu e pelo cabeça de lista socialista no círculo eleitoral de Beja, o dirigente Pedro do Carmo.

Perante os jornalistas, o secretário-geral do PS considerou a empresa PaxBerry, como “um excelente exemplo de como é possível Portugal passar a produzir frutos quentes e compensar de uma vez por todas o défice alimentar que o país antes tinha”.

“Felizmente, ao longo das últimas décadas, temos crescido muito significativamente ao nível da produção agrícola”, declarou o líder socialista, depois de provar um morango produzido na estufa da empresa.

No entanto, além da questão da produção, António Costa apontou outro fator essencial: a sustentabilidade e o respeito pelo meio ambiente.

“A água que aqui se utiliza é reciclada e reaproveitada, o que é muito importante, porque impede a contaminação dos solos e permite maior eficiência. Todos os componentes do solo são otimizados para melhorar a produção”, observou.

A seguir, o primeiro-ministro apontou esta empresa também como “exemplo de produção integrada”, já que, além de morangos, tem igualmente áreas dedicadas à vinha e ao olival.

“Isso permite uma estabilidade relativamente à mão-de-obra que trabalha na empresa”, assinalou, antes de fazer alusão a dois acordos de mobilidade já assinados por Portugal, um com os Estados-membros Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), e outro com a Índia.

“Temos outros acordos em negociação. Como foi evidenciado nesta empresa, o país precisa de imigração para continuar a crescer do ponto de vista económico”, completou.

Depois, os jornalistas confrontaram António Costa com a crise aberta pela vaga de covid-19 que atingiu trabalhadores agrícolas estrangeiros de Odemira, mas o secretário-geral do PS estabeleceu diferenças e falou das “especificidades” de Odemira.

“O problema de Odemira teve uma dimensão de grande concentração [de trabalhadores] e um problema de habitação. Ora, o problema da habitação é crucial”, respondeu.

De acordo com António Costa, em várias explorações agrícolas, recorre-se a trabalhadores sazonais.

“Temos de ter a capacidade – e foi isso que se acordou com a Câmara de Odemira, que terá de cumprir – de assegurar habitação condigna a todos os que trabalham. Há recursos financeiros disponíveis para esse efeito e é um trabalho que neste momento está em curso”, acrescentou.