Hospital de Évora: “Não há motivos para alarme social” mas envelhecimento da equipa de pediatria preocupa

Hospital de Évora

Os problemas de funcionamento que atravessa o Serviço de Urgência Pediátrica continua a preocupar, tendo esta sexta-feira a Direção Clínica reunido com o Sindicato dos Médicos da Zona Sul.

Esta reunião contou com a presença dos representantes do Sindicato e da Diretora Clínica do HESE, Drª Isabel Pita, do Adjunto da Direção Clínica e Diretor do Internato Médico do HESE, Dr. Artur Canha da Silva e, dada a indisponibilidade do Diretor do Departamento da Mulher e da Criança e simultaneamente Diretor do Serviço de Pediatria, Dr. Hélder Ornelas, enviou em sua representação, a Drª Susana Gomes, Pediatra do Serviço de Pediatria do HESE.

No decorrer estas reuniões esclareceram-se algumas dúvidas e reiterou-se que não existem motivos para alarme social.

Como explica a Administração do Hospital do Espirito Santo de Évora, “o atendimento pediátrico de urgência no HESE mantém-se, temporariamente, com a solução/modelo encontrados pelo Conselho de Administração, idêntico ao praticado no HESE, pelo Serviço de Pediatria, desde 2007 até ao mês de abril de 2020, de modo a garantir o atendimento de urgência, por pediatra, a todas as crianças e jovens do Alentejo, nos mesmos moldes em que sempre aconteceu e com a qualidade e segurança habituais”.

Apesar de o serviço continuar a funcionar,  o Conselho de Administração “partilha a preocupação com o envelhecimento da equipa de pediatria do HESE que se faz sentir há vários anos e que se torna cada vez mais problemático, e por isso mesmo continuará a envidar todos os esforços para que os pediatras interessados venham trabalhar para o nosso Hospital, qualquer que seja a modalidade de contrato de trabalho: contrato individual de trabalho (CIT), mobilidade ou prestação de serviço.”

A Direção Clinica destaca ainda que “vê com agrado a abertura das duas vagas para jovens pediatras, consideradas carenciadas, com incentivos para os que optem pelo nosso Hospital, nomeadamente, mais 40% da remuneração base (durante 3 anos) e mais 2 dias de férias enquanto permanecerem no HESE. Podem ainda participar em atividades de investigação pelo período máximo de 15 dias, por ano, com direito a ajudas de custo e transporte, nos termos legais.”

Segundo fonte do Hospital, no fim da reunião, foi unânime que há um interesse de todos em zelar pelo atendimento pediátrico urgente no Hospital de Évora e que tudo será feito para cumprir a missão do Hospital para com os seus Utentes e Profissionais.