Grupo Les Abbagliati abre no sábado o Festival Terras Sem Sombra em Barrancos

Barrancos

O Festival Terras Sem Sombra abre a 17.ª edição no próximo sábado com música barroca pelo ensembre belga Les Abbagliati.

Através do Incêndio: Contingências, Expectativas e Superações na Música Ocidental (Séculos XVI-XXI)” é o mote desta edição, que recupera artistas da anterior, interrompida em 2020 devido à pandemia, e inclui outros do atual país convidado, a Bélgica.

No ano passado o país convidado foi a República Checa, tendo atuado entre outros, agrupamentos como o Tiburtina Ensemble, especializado em canto gregoriano e polifonia medieval, que apresentou em Vila de Frades, na Vidigueira, “Harmonia Celestis: A Corte Divina na Obra de Hildegarda de Bingen“.

Aos concertos de agrupamentos da República Checa e de outros países – reprogramados da edição anterior interrompida devido à situação pandémica – juntam-se as presenças de artistas da Bélgica, o país convidado da edição de 2021“, afirma a organização, em comunicado enviado à agência Lusa.

O Festival, a decorrer em vários municípios alentejanos, até outubro próximo, tem direção artística de Juan Ángel Vela del Campo, fundador e diretor do projeto “Opera Digital” do Teatro do Liceo, em Barcelona, e que dirigiu a obra “Historia de la Música en España e Hispanoamérica”.

Além da música, o Festival inclui atividades ligadas ao Património Cultural, com visitas guiadas a monumentos de referência nos concelhos, e à Biodiversidade.

Todas as iniciativas são gratuitas, decorrem aos fins de semana e seguem “as regras sanitárias determinadas pelas autoridades de saúde, no âmbito do combate à pandemia da covid-19“, garante a organização do festival.

O ensemble Les Abbagliati atua no sábado, às 21:30, no Cineteatro de Barrancos. O agrupamento apresenta-se com a soprano Soetkin Elbers, a flautista Sien Huybrechts, Rona Kernoa (violoncelo e viola da gamba) e Dimos de Beun (cravo), num programa intitulado “As Harmonias do Amor: Paixão e Superação na Música Barroca“, que inclui peças de Handel, Bononcini, d’Astorga e Vivaldi.

Segundo a organização, o seu nome “Les Abbagliati” (Os Deslumbrados) “traduz bem o deslumbramento pelo património artístico do Barroco, um período que marcou indelevelmente a História da Música“.

O grupo formou-se quando os músicos ainda eram estudantes no Conservatório Real de Bruxelas. Em 2009, o agrupamento foi um dos finalistas da International Young Artist Presentation, em Antuérpia, na Bélgica. Dois anos depois, foi selecionado para uma residência artística no Festival de Música Barroca de Ambronay, em França.

“Estar atentos a novos elementos e a novos ângulos de aproximação é, de acordo com a orientação artística de Les Abbagliati, a verdadeira essência da prática de musical antiga. Para isto, propõe uma forma muito própria, assaz requintada, de decifrar e glosar as obras de um passado que, afinal, nada tem de indiferente para a sensibilidade dos nossos dias.

Os séculos XVII e XVIII são o seu campo privilegiado de estudo, conjugando amiúde, nos programas apresentados, obras-primas já bem conhecidas com novas descobertas de compositores famosos e mestres esquecidos“, refere o Festival.

No âmbito do património cultural, no sábado, a partir das 15:00, realiza-se uma visita guiada pela vila, intitulada “Entre o Alentejo e a Andaluzia”.

A organização realça “a peculiar história” de Barrancos, com “as suas particularidades do urbanismo e da arquitetura, numa zona raiana profundamente marcada pelo encontro das tradições construtivas do Alentejo e da Andaluzia, a que Barrancos imprimiu um cunho próprio“.

Quanto ao património natural, é proposta a observação da geodiversidade do Vale da Ribeira de Múrtega, sob a orientação do geólogo João Matos, do Laboratório Nacional de Geologia e Energia, no domingo.

O Festival Terras sem Sombra, de caráter itinerante, prossegue nos próximos dias 26 e 27, em Alter do Chão, no distrito de Portalegre, com o agrupamento La Ritirata, com um concerto intitulado “Il Spiritillo Brando: Música de Corte na Península Ibérica e no Vice-Reino de Nápoles (Séculos XVI-XVII)“.

O calendário da edição deste ano inclui Arraiolos (03 e 04 de julho), Santiago do Cacém (17 e 18 de julho), Castelo de Vide (31 de julho e 01 de agosto), Beja (07 e 08 de agosto), Sines (21 e 22 de agosto), Ferreira do Alentejo (04 e 05 de setembro), Viana do Alentejo (12 e 13 de setembro) e Vila Nova de Mil Fontes, Odemira (18 e 19 de setembro).