Sexta-feira, Dezembro 9, 2022
Pub

Governo está a acompanhar situação nas urgências e pede recurso dos cidadãos ao SNS24

- Publicidade -
- Publicidade -

O Governo garantiu hoje estar a acompanhar, “a cada momento, a evolução da situação” nas urgências e pediu aos cidadãos para utilizarem a linha telefónica SNS24, que é “uma porta de entrada privilegiada no sistema”.

Em declarações aos jornalistas no ‘briefing’ do Conselho de Ministros, que decorreu hoje em Lisboa, a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, foi questionada sobre a situação nas urgências – na terça-feira, registaram-se 14 horas de espera nas urgências do Hospital Santa Maria, em Lisboa – e sobre o facto de o Plano Estratégico do Ministério da Saúde, apresentado na quarta-feira, estar a ser criticado por alguns elementos do setor.

Na resposta, Vieira da Silva considerou que o tema “é recorrente” e disse ser “evidente que em qualquer período de outono e inverno” as necessidades “dos cidadãos aumentam em força da temperatura e de uma maior prevalência de algumas doenças, principalmente do foro respiratório”.

“Por isso existe uma resposta organizada, já ontem [quarta-feira] apresentada, que responde a esse reforço que todos os anos é feito da capacidade de resposta”, afirmou.

Mariana Vieira da Silva referiu ainda que existe “um trabalho em curso no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) de reforço dos cuidados de saúde primários, tanto no que diz respeito à construção e melhoramento de centros de saúde, como no que diz respeito à descentralização de competências para as autarquias, que passam a ter também competência” na área da organização dos cuidados primários.

Apesar disso, a governante quis deixar a mensagem de que, “nos últimos dois anos”, as vantagens da utilização da linha telefónica SNS24 foram comprovadas, salientando que “esse deve ser sempre um recurso à disposição dos cidadãos e que é uma porta de entrada privilegiada no sistema”.

“Quanto ao mais, o Governo acompanha, a cada momento, a evolução da situação e vai definindo as medidas necessárias”, afirmou.

Durante o ‘briefing’, Mariana Vieira da Silva abordou ainda a operação, na quarta-feira, da Polícia Judiciária, que deteve 35 pessoas pertencentes a uma rede criminosa que contratava trabalhadores estrangeiros para agricultura no Baixo Alentejo.

Questionada sobre o que o Governo pretende fazer com os migrantes que estavam a ser escravizados, a ministra da Presidência referiu que esse tema não foi discutido no Conselho de Ministros, mas destacou que, no âmbito do PRR, há um “conjunto de investimentos para garantir que o Estado dispõe de uma resposta para situações de emergência e para situações de alojamento temporário”.

“Naturalmente, e como em outros casos passados, nunca deixaremos de acompanhar a situação das pessoas, mas eu não tenho nenhum dado adicional relativamente ao trabalho que está no terreno neste momento”, disse.

Mariana Vieira da Silva foi ainda questionada sobre se o Governo não teme que as relações entre Portugal e o Qatar possam ficar afetadas depois de, na quarta-feira, o ministério dos Negócios Estrangeiros qatari ter chamado o embaixador português em Doha, Paulo Pocinho, para explicar o que considerou serem “declarações hostis” de altas figuras do Estado.

Na resposta, a governante afirmou que não tinha “nada a acrescentar à declaração” feita esta manhã pelo ministério dos Negócios Estrangeiros português.

“Aquilo que havia a dizer, foi dito por comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros”, vincou.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

As mais vistas

Mais notícias

Alentejo foi a única região onde não aumentou o número de estabelecimento com a valência de radiologia

Os exames de radiologia representaram a terceira maior despesa convencionada do Serviço Nacional de Saúde (SNS) em 2021, com um gasto de mais de...

Associação de Municípios do Alentejo Central apresenta resultados da recolha de resíduos porta-a-porta

A AMCAL – Associação de Municípios do Alentejo Central, apresenta na próxima segunda-feira, 12 de dezembro, a partir das 14:30h, no auditório da Biblioteca...