Governo criou grupo de trabalho para definir uma estratégia nacional para a arqueologia

Arqueologia
Anthropology - hands of an anthropologist revealing human skull from dirt

O Governo criou, recentemente um grupo de trabalho com a missão de definir uma estratégia nacional para a arqueologia.

Deste grupo de trabalho irá resultar uma estratégia nacional para a arqueologia, que deve abordar o plano nacional de trabalho arqueológicos, a gestão de espólios arqueológicos (incluindo osteológicos), operacionalizada através de uma rede nacional de reservas arqueológicas, bem como a arqueologia preventiva e de acompanhamento e ainda o impacto da agricultura intensiva e das ações de arborização e/ou rearborização sobre o património arqueológico.

No final do primeiro ano de trabalho, o grupo de trabalho terá de apresentar ao membro do Governo responsável pela área da cultura um relatório intercalar e ainda um relatório final, que cumpra os objetivos subjacentes à sua constituição, até à data do termo do seu mandato.

Considera o Governo que, “importa a elaboração de um Programa Estratégico para a Arqueologia (terrestre e subaquática), mobilizando os recursos existentes e estimulando novas capacidades em torno de ações estratégicas para Portugal, bem como garantir a atração de fontes de financiamento alternativo ao nível nacional e europeu”.

Fazem parte deste grupo:

– António Batarda, em representação da Direção -Geral do Património Cultural, que coordena;

– António Ponte, em representação da Direção Regional de Cultura do Norte;

– Suzana Menezes, em representação da Direção Regional de Cultura do Centro;

– Samuel Melro, em representação da Direção Regional de Cultura do Alentejo;

– Cristina Alexandra Tété Garcia, em representação da Direção Regional de Cultura do Algarve;

– António Carvalho, em representação dos Museus que gerem espólios arqueológicos da Direção -Geral do Património Cultural e das Direções Regionais de Cultura;

– Joaquim Jorge, em representação do membro do Governo responsável pela área da cultura;

– Catarina Tente, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, e António Pascoal, do Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa, em representação do membro do Governo responsável pela área da ciência, tecnologia e ensino superior.