Terça-feira, Fevereiro 7, 2023
Pub

Festival de música árabe Al-Mutamid terá espetáculo em Santiago do Cacém

- Publicidade -
- Publicidade -

O 23.º Festival de Música Al-Mutamid arranca a 10 de fevereiro com espetáculos em Loulé, Lagos, Albufeira, Lagoa, Silves, Santiago do Cacém, Almada e Leiria, que pertenciam ao antigo território denominado Al-Andalus.

“O Festival de Música Al-Mutamid é um dos festivais de música árabe mais relevantes que se realizam fora das fronteiras do mundo árabe”, segundo a sinopse dos espetáculos enviada à agência Lusa.

Este festival realiza-se desde 2000 de forma itinerante em diferentes cidades portuguesas que faziam parte do então território denominado Al-Andalus, da época de Al-Mutamid.

Segundo os organizadores, a programação do 23.º Festival de Música Al-Mutamid inclui “diferentes grupos especializados no resgate dos sons de al-Andalus, mas também nas músicas e danças do Médio Oriente, Magrebe e Mediterrâneo Oriental”.

O festival arranca a 10 de fevereiro no Centro Cultural de Lagos, com o espetáculo de Ahlamu Zahar (Marrocos/Espanha), e termina a 17 de março no Cine-Teatro Louletano (Loulé), com o grupo Funún Tahat (Marrocos/Síria/Espanha).

O grupo Al Maram (Marrocos/Iraque/Argélia) vai estar a 17 de fevereiro no Auditório Municipal de Albufeira e no dia seguinte no Auditório Municipal António Chainho (Santiago do Cacém).

Também a 18 de fevereiro, o grupo Muhsilwan (Marrocos/Sudão/Guiné Conacri) atua no Auditório Fernando Lopes-Graça (Almada).

O Auditório Carlos do Carmo (Lagoa) recebe os Sufi Soul Ensemble (Tunísia/Marrocos/Síria) a 25 de fevereiro e no dia seguinte será a vez do Centro de Diálogo Intercultural (Leiria) voltar a receber os Ahlamu Zahar.

Monia Abdelali (Tunísia) atua no Teatro Mascarenhas Gregório, em Silves, a 11 de março.

Os organizadores explicam que o festival “pioneiro e de características únicas em Portugal” é uma homenagem ao rei poeta al-Mutamid, filho e sucessor do rei de Sevilha Al-Mutadid.

Muhammad Ibn Abbad (al-Mutamid) nasceu em Beja (1040) e foi nomeado governador de Silves com apenas 12 anos.

Em 1069 acedeu ao trono de Sevilha, o reino mais forte entre os que surgiram em al-Andalus após a queda do Califato de Córdoba.

Em 1088 foi destronado pelos almorávidas e recluído em Agmat, a sul de Marrakech, onde viria a falecer em 1095.

“O seu túmulo, conservado até hoje, tornou-se símbolo dos mais belos tempos de Al-Andalus”, de acordo com a sinopse.

Al-Andaluz foi o nome dado à Península Ibérica a partir do domínio do Califado Omíada, tendo sido utilizado para se referir à região independentemente do território politicamente controlado pelas forças islâmicas.

Atualmente utiliza-se o termo para referir os territórios que não pertenciam aos reinos cristãos da época.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

As mais vistas

- Publicidade -

Mais notícias

Alvito acolhe a exposição “Arquivos, Uma Memória Viva”

A exposição “Arquivos, Uma Memória Viva” será inaugurada esta terça-feira, dia 07 de Fevereiro, pelas 16h00, na Biblioteca Municipal Luís de Camões, em Alvito...

Estremoz: 1.º Encontro Transfronteiriço de Cidadania Ativa para os Valores da UNESCO

O 1.º Encontro Transfronteiriço de Cidadania Ativa para os Valores da UNESCO vai decorrer esta sexta-feira, a partir das 09:00, no Teatro Bernardim Ribeiro,...