Feira da Caça em Mértola: Autarca destaca “mais valias económicas” geradas pelo setor (c/fotos)

Feira da Caça

A vila de Mértola, no distrito de Beja, recebe, até domingo, a 12.ª edição da Feira da Caça, promovida pela câmara municipal para “celebrar e promover o património cinegético do concelho”.

A cerimónia de inauguração, que ocorreu ao final da tarde desta sexta-feira, contou com a presença de Jorge Botelho, secretário de Estado da Descentralização e da Administração Local, Mário Tomé, presidente da Câmara Municipal de Mértola e Jorge Rosa, presidente da Assembleia Municipal de Mértola.

Nas palavras proferidas Jorge Botelho, secretário de Estado da Descentralização e da Administração Local referiu que a Feira da Caça é “uma feira importante para a economia local e da região e merece apoio, independente das opções e do critério de cada um, mas é uma atividade económica que movimenta muita gente”.

O governante acrescentou que esta feira e esta atividade “somos nós, isto são as pessoas, é a sua ligação à terra, é o seu código genético”, acrescentando que “devemos respeitar a ideia de cada um, mas obviamente entre a ideia e a aplicação da ideia de cada um ao seu território, fazer também atividades daquilo que é o seu condigo genético tem um grande significado”.

Já o presidente da Câmara Municipal de Mértola, Mário Tomé, afirma que “é fácil dizer que Mértola é a Capital Nacional da Caça, o difícil é pensar uma estratégia coletiva que sustente isso” e por isso “o objetivo desta feira é o fomento e a valorização desta fileira”.

O Autarca deixou claro que “a caça de forma direta consegue gerar um conjunto de mais valias económicas para o território e ninguém pode ficar indiferente”.

A 12.ª edição da Feira da Caça de Mértola, que conta com a parceria de diversas instituições, conta no programa com exposições, venda de produtos, colóquios, demonstrações cinegéticas e o V Concurso de Mel do Parque Natural do Vale do Guadiana.

Fora do recinto, a feira promove a 11.ª Taça Ibérica de Santo Humberto e o 9.º Campeonato Nacional de Salto “Fernando Pereira”, além de uma montaria de javalis, veados e gamos, uma demonstração de cães de parar e uma largada de perdizes, faisões, pombos e patos.

O evento conta ainda com “tasquinhas” de comes e bebes e um programa musical com diversos artistas locais, naquilo que o presidente da câmara municipal, Mário Tomé, considerou ser um “momento intermédio de aproximação” àquilo que é uma feira “normal”. Fique de seguida com as imagens da inauguração, numa reportagem de Hugo Calado