Évora vai ter novo hotel num investimento de 5 milhões de euros

Hotel O Cante

Um novo hotel de quatro estrelas, que quer oferecer “uma experiência da cultura alentejana”, vai abrir portas, em junho, em Évora, após um investimento de cerca de cinco milhões de euros.

Embora seja um edifício construído de raiz e contemporâneo, queremos um hotel diferenciador e diferente e que dê ao cliente uma experiência da cultura alentejana”, afirmou hoje à agência Lusa Rui de Sousa, da empresa promotora.

Com abertura prevista para o dia 15 de junho, o Hotel O Cante, de quatro estrelas, vai “nascer” a cerca de 50 metros da Portas de Alconchel, uma das principais entrada do centro histórico de Évora.

Segundo a empresa promotora, a Universacontece, o projeto da nova unidade hoteleira envolveu um investimento total de cerca de cinco milhões de euros, incluindo uma participação no valor de dois milhões de euros de fundos de turismo.

O Hotel O Cante vai ter 50 quartos, dos quais 18 são estúdios equipados com ‘kitchenette’ e um é uma ‘suite’ com hidromassagem, além de restaurante, bar, spa, piscina e sala de reuniões.

Rui de Sousa, da empresa promotora e responsável pela gestão do empreendimento turístico, sublinhou que o hotel “é um tributo à cultura alentejana”, indicando que a decoração foi inspirada na “cultura do Alentejo”.

Todos os quartos estão decorados com pormenores” relacionados com a região, como “mantas alentejanas originais, fotografias que retratam a cultura de trabalho do Alentejo e estrofes de canções do cante alentejano escritas nas paredes”, adiantou.

De acordo com o responsável, também os elementos da equipa do hotel na receção e no restaurante vão estar trajados com as fardas que habitualmente são usadas pelos membros dos grupos de cante alentejano.

Questionado sobre a abertura do hotel em plena pandemia de covid-19, com impacto no setor do turismo, Rui de Sousa admitiu existir “algum receio”, mas frisou que há “confiança”, porque Portugal “está a ter um comportamento exemplar”.

A abertura do hotel esteve prevista para o primeiro trimestre de 2020, mas foi adiada, devido à pandemia de covid-19, e, agora, a entrada em funcionamento da unidade hoteleira será feita em regime de “soft opening”, assinalou.

Rui de Sousa notou que, para já, o hotel não vai abrir o restaurante, prevendo a inauguração deste serviço em outubro para “preparar bem” o seu funcionamento.

A menos de um mês da abertura do empreendimento, o responsável disse que estão a ser ultimadas as contratações para a equipa, as limpeza profundas e a instalação do mobiliário de decoração e outros detalhes.