Évora: PSP explica que polícia fora de serviço tentou parar agressões a mulher e acabou morto

Policia de Segurança Pública

A Polícia de Segurança Pública emitiu um comunicado sobre a morte de um agente da autoridade, durante uma ocorrência ontem em Évora.
O agente estava fora de serviço mas ao tentar cessar o crime, acabou atropelado pelo homem que agrediu a mulher e foi arrastado cerca de 40 metros. O agressor fugiu, sendo posteriormente interceptado pela GNR, mas o polícia acabou por falecer no Hospital do Espírito Santo, em Évora, não resistindo aos ferimentos graves sofridos.
O comunicado na íntegra:

Ontem, pelas 21H45, no Rossio de São Brás, em Évora, ocorreu uma agressão a uma mulher, pelo seu companheiro, na via pública.
O agressor arrastou a mulher pelo chão e obrigou-a a entrar numa viatura.
No local encontrava-se um Polícia da Polícia de Segurança Pública (PSP), fora de serviço, que presenciou as agressões.
De imediato o Polícia, em cumprimento da sua missão, interveio para fazer cessar o crime em curso.
Ao tentar impedir a fuga do agressor, o Polícia foi atropelado pela viatura conduzida por aquele, sendo arrastado cerca de 40 metros.
O agressor conseguiu fugir, sendo posteriormente intercetado por guardas da Guarda Nacional Republicana, na zona de Alcabideche, em Sintra, após imediata difusão e alerta a todas as forças e serviços de segurança, feita pelo Centro de Comando e Controlo Estratégico da PSP.
Foram acionados os meios de emergência e socorro, sendo o Polícia transportado e assistido no Hospital do Espírito Santo, em Évora, em estado muito grave.
Infelizmente, devido à gravidade das lesões sofridas na intervenção policial, o Polícia, pelas 00H54 de hoje, acabou por falecer.
O Polícia, de 45 anos de idade e colocado no Comando Distrital de Évora, era casado e pai de dois filhos.
De imediato a PSP contactou os familiares e disponibilizou-lhes todo o apoio, nomeadamente psicológico.
A Polícia Judiciária foi contactada, por se tratar de um crime da sua competência.
A PSP apresenta as mais sinceras condolências aos familiares do Polícia falecido, aos amigos e a toda a “família policial”.
A PSP enaltece a ação do Polícia que, honrando a condição policial, levou até às últimas consequências o seu juramento de “dar a vida, se preciso for”, na permanente defesa e proteção dos nossos concidadãos.