Estudo revela que 41% dos portugueses assume ficar sem rendimentos no espaço de 1 mês

Fundo de Emergência

A COVID-19 está a afundar os portugueses em problemas com a gestão dos seus créditos e empréstimos contraídos até surgir a pandemia que assolou o mundo e 39% está assim com dificuldades no pagamento dos seus créditos, distribuídos da seguinte forma: 52% crédito pessoal, 28% crédito à habitação, 19% crédito automóvel.

 Um inquérito da Fixando – a maior plataforma nacional para a contratação de serviços locais – junto de 18.000 pessoas entre os dias 15 a 24 de maio, conclui que 10% da amostra já teve de recorrer a novos empréstimos para suprir as contas e obrigações mensais, relacionadas com habitação (50%), compra de bens essenciais (25%) e pagamentos de contas de empresa (22%).

 Os empréstimos contraídos foram em 62% para valores inferiores a €5.000, enquanto 26% entre os €5.000 e os €25.000.

 Dos inquiridos, 45% diz não estar a trabalhar e, desses, 76% não está a receber qualquer rendimento, sendo que 41% assume mesmo que não terá dinheiro no espaço de 30 dias, enquanto 17% consegue sobreviver por 2 meses.

Fonte: Fixando