É um “local para nos reinspirarmo-nos na luta pela paz” disse José Ramos Horta no Crato (c/som)

O ex-Presidente da Republica de Timor-Leste e Prémio Nobel da Paz, José Ramos Horta, esteve esta quarta-feira no Alentejo, nomeadamente no concelho do Crato na inauguração da nova Adega da Herdade da Rocha e também o monumento Retiro da Paz.

Nesta sua passagem pelo Alentejo, José Ramos Horta começou por referir que “esta acção aqui, tão bem pensada, não por mim, mas pelo simbolismo do local para nos reinspirarmo-nos na luta pela paz.”

José Ramos Horta confessou-se cansado na luta pela Paz, pois “já fiz tantas intervenções, tantos discursos, fiz mediações ao longo de anos em todo o mundo, e o mundo está cada vez pior! Perdi um bocado de entusiasmo, compromisso.”

O Nobel da Paz referiu que veio a Portugal, “desta vez para em primeiro estar aqui no Crato e em segundo a Assembleia Geral da Comissão Global da Política sobre a Droga, da qual sou secretário. E também para participar no Diálogo de Estados Frágeis, chamado G7+, uma iniciativa de Xanana Gusmão, que reúne mais de 20 países, de África e Ásia, liderados na realidade, politica e intelectualmente por Xanana Gusmão

Ramos Horta disse ainda que “estar aqui hoje obriga-me a re-inspirar, porque se eu fico desanimado na luta pela paz, estou a falhar a esta ocasião de hoje. Portanto, eu próprio preciso de novas energias para continuar.”