Domingo, Setembro 25, 2022
Pub

Durante a pandemia houve quem morresse por causa da covid-19 mesmo sem ter a doença

- Publicidade -
- Publicidade -

A pandemia de covid-19 teve um forte impacto entre as pessoas mais idosas, provocou medo, solidão, ansiedade, separou famílias, acelerou doenças mentais e até provocou a morte mesmo em quem nunca teve a doença.

A assistente social Vera Mesquita, que trabalha na Estrutura Residencial para Idosos (ERPI) da Casa do Povo de Vendas Novas, assistiu a “uma grande decadência” entre os utentes do lar que já sofriam um qualquer tipo de demência porque “deixaram de ter a presença daquelas pessoas familiares, que eram pessoas de referência para eles”.

De acordo com a profissional, os confinamentos impostos por causa da covid-19 provocaram “um grande agravamento” das doenças mentais, mas afetaram também os outros utentes, que, apesar de compreenderem melhor o que estava a passar-se, sentiam falta da família e tinham medo de apanhar a doença.

Vera Mesquita não tem dúvidas de que a saúde mental e a parte cognitiva dos utentes foram as mais afetadas “naquele início de pandemia” e recorda que o impacto se fez sentir também entre as pessoas que até à altura eram autónomas e frequentavam apenas o centro de dia.

“Tivemos casos de pessoas que começaram a desenvolver problemas e de outras que integrámos na ERPI porque viviam sozinhas, não tinham família, estavam muito sós e tinham medo da pandemia”, recordou à Lusa, lembrando também quem ia ao centro de saúde “completamente atormentado” com medo de ter covid.

Relativamente a quem tinha demência, Vera Mesquita contou que houve casos de pessoas que “perderam a vontade de viver quando deixaram de ter a presença física daquela pessoa que às vezes nem sabem bem dizer quem é, mas que conseguem ainda perceber que é uma pessoa importante”.

Ludovina Rodrigues não tinha demências, mas vivia num lar desde 2013, depois de ter sofrido um acidente vascular cerebral (AVC) isquémico, que a deixou sem mobilidade nas pernas, mas que não lhe retirou a vontade de viver.

A história desta mulher, que morreu com 95 anos, é contada pela única neta, que durante muitos anos, e até à pandemia, todas as semanas visitava a avó e procurava que estivesse ativa, levando-a ao cabeleireiro, a almoçar fora ou a casa da família ou levando-lhe lanches especiais.

“Com a covid isso deixou de acontecer”, recorda Nádea Rodrigues, que conta que com o confinamento veio o fim das visitas da família, que Ludovina passou a ver apenas por videochamada, uma a duas vezes por semana.

Segundo a neta, Ludovina no início reagiu bem e percebeu que “não estava abandonada”, mas como a situação se prolongava cada vez mais no tempo “ela começou a decair psicologicamente, a baralhar-se muito” e a deprimir.

“Isto acabou por matar a minha avó. Ela morreu por causa da covid-19, sem nunca ter tido a doença”, lamentou, apontando que Ludovina morreu em setembro de 2020, cerca de seis meses depois do início da pandemia.

José Nunes, 87 anos, era um homem que estava “fisicamente muito bem e que tinha autonomia”, mas em quem a pandemia teve um impacto “francamente visível”, contou a nora, segundo a qual o sogro foi dando alguns sinais de senilidade nos últimos oito anos, apesar de nunca lhe ter sido diagnosticado nada mais grave.

“Ele ia fazendo a vida dele, fazia a comida, as compras, ia muito ao café, fazia muita vida de rua”, disse Rosária Rato, segundo a qual o sogro no início não percebeu a gravidade da situação quando foram impostos os confinamentos e reagiu de uma forma extrema, depois de um dos filhos o repreender, fechando-se em casa e passando o dia inteiro de janelas fechadas.

Segundo a nora, José Nunes ficou deprimido, chorava muito porque não via os amigos e não podia ir ao café e os episódios provocados pela senilidade começaram a ser mais frequentes, ao ponto de não distinguir entre o dia e a noite, por exemplo.

Em 24 de dezembro de 2020 foi institucionalizado e depois foi-lhe diagnosticada doença de Alzheimer já em estado avançado.

Para Rosária, a pandemia não é a culpada pelo aparecimento da doença, mas acredita que se não fosse a covid-19 e o impacto que isso teve no sogro, teria sido possível fazer um diagnóstico mais cedo e talvez atrasar a sua progressão.

A Noémia Sousa, 89 anos, a pandemia provocou muito medo e fez com que ficasse três meses em casa sozinha, sem ir à rua, num 10.º andar em Sacavém, Loures.

“Eu já tinha pouca força nas pernas porque os anos já eram muitos e aqueles três meses que eu estive em casa fiquei muito pior e agora quero andar, mas sozinha já não consigo. Ando de muleta e quando quero ir à rua há aqui uma vizinha que me ajuda”, adiantou.

Naquela altura, falava todos os dias ao telefone com os filhos e as netas, o que ajudou a passar o tempo e a matar saudades, apesar de admitir que custou muito.

O medo que ganhou na altura mantém-se, não só porque não quer correr o risco de “passar alguma coisa às bisnetas”, mas também porque acredita que se contrair covid-19 não tem salvação.

Para casos como o de Noémia, mas não só, a Junta de Freguesia de Benfica, em Lisboa, criou um ‘call-center’ para ligar a todos os cerca de oito mil idosos identificados a saber como estavam, se estavam isolados, se precisavam que lhes levassem compras ou medicamentos, ou só para fazer companhia.

“Isto cresceu e quando terminou o confinamento nós tínhamos na nossa lista 16 mil seniores”, contou o presidente da junta.

Segundo Ricardo Marques, foi possível detetar “muitos casos de desespero”, fruto do afastamento da família ou da vida social que os idosos da freguesia tinham e que perderam durante os períodos de confinamento.

“Tivemos muitos seniores em que claramente sentimos uma deterioração da sua saúde mental e das suas expectativas. Estão mais pessimistas, mais negativos com o dia de amanhã”, adiantou, sublinhando que mesmo com a estratégia “de grande proximidade” que foi delineada “era impossível colmatar a ausência de contacto físico e pessoal”.

Em geral, o constitucionalista Jorge Reis Novais entende que os direitos das pessoas mais idosas “foram bem salvaguardados” a partir do momento em que o governo reagiu à pandemia, mas disse ter dúvidas relativamente às regras de confinamento impostas às pessoas com mais de 70 anos que estavam em casa, e que eram mais apertadas do que para as pessoas com idade inferior.

“Isto é discriminatório e do ponto de vista jurídico não há fundamentação para isso”, sublinhou.

José Gaspar, 80 anos e um dos 35.367 fregueses de Benfica, recordou à Lusa que, apesar de terem sido tempos “medonhos”, ligavam-lhe todas as semanas para saber “se precisava de alguma coisa”, e que também ajudou terem retomado o projeto “Memória Ativa”, de estímulo das capacidades cognitivas e da memória, mesmo que à distância.

De uma rotina pré-pandemia que incluía duas horas no ginásio, passeios, caminhadas ou idas ao cinema, José Gaspar passou a estar em casa, onde vive sozinho desde que enviuvou, confrontado com o que o mais assustava: a solidão.

Garante que não ficaram sequelas e que graças ao departamento de apoio psicológico da junta ultrapassou tudo. No entanto, acha que a pandemia provocou um envelhecimento mais rápido das pessoas e que a ansiedade e o desespero deixaram sequelas permanentes e acentuadas.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

As mais vistas

Mais notícias

Jovem de 22 anos detido pela GNR por esfaquear outro em Viana do Alentejo

Um jovem de 22 anos foi detido hoje pela GNR por esfaquear outro de 18 anos, que ficou ferido com gravidade, no recinto da...

Motociclista de 57 anos morre em despiste no concelho de Arronches

Um homem de 57 anos morreu hoje na sequência do despiste do motociclo que conduzia na Estrada Municipal 516 no concelho de Arronches, no...