Crato por Todos: “Queremos que todos se sintam bem aqui, quero que todos entrem com ilusão e saiam com satisfação”, diz autarca do Crato (c/som e fotos)

Iniciou-se mais uma edição do Festival do Crato que, até ao próximo dia 31 de Agosto, atrairá milhares de pessoas a esta localidade do distrito de Portalegre.

A cerimónia de inauguração ocorreu ao final da tarde desta terça-feira, 27 de Agosto, com a presença do Secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira, o Presidente da Câmara Municipal do Crato, Joaquim Diogo, o Presidente da Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo, António Ceia da Silva, a Presidente da Assembleia Municipal do Crato, Sandra Cardoso, entre outras entidades civis e militares e também vários autarcas do distrito de Portalegre.

No seu discurso, o Presidente da Câmara Municipal do Crato, referiu que o percurso percorrido por este evento é “um percurso de acreditar em todos, de trabalhar em conjunto, de podermos mostrar tudo aquilo que temos de melhor no nosso concelho e no nosso distrito, e é tudo isso que esta Feira de Artesanato e Gastronomia do Crato é. (…) Aqui congregamos todos”, acrescentando que “queremos que todos se sintam bem aqui, quero que todos entrem com ilusão e saiam com satisfação”

Já o Secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira, destacou o facto deste certame “trazer bem viva aquilo que mostra a realidade destes nossos territórios o interior do país”, acrescentando que “Portugal é um país pequeno mas com uma grande história. É um mosaico de diversidade, e prova disso é que muitas destas iniciativas, e a produção local, é prova da nossa identidade como país e como povo, de forma que gostaria de, mais uma vez, felicitá-lo pela promoção e manutenção destes valores. (…) É esta afirmação de identidade que temos de continuar a fazer, de norte a sul do país.”

Por sua vez António Ceia da Silva, Presidente da Entidade Regional de Turismo, referenciou que “estive na primeira edição deste Feira do Artesanato e Gastronomia, na altura, hoje Festival do Crato. E não é fácil manter um certame durante mais de duas décadas, mantê-lo com qualidade e melhorar todos os anos essa qualidade. Ou seja, não é fácil começar as coisas, mas também não o é mantê-las e dignificá-las.”