CP nega redução do preço dos passes dos comboios no Alentejo Central

Ministro garante que utilizadores do transporte ferroviário no Alentejo Central terão redução da tarifa até final do ano

A CP recusa implementação do Programa de Apoio à Redução Tarifária (PART) ao transporte ferroviário no Alentejo Central, justificando que nesta região apenas circulam composições afetas ao serviço intercidades, e que “a sua aplicação nesta área geográfica implicaria a generalização da redução tarifária nos Intercidades a todo o país, não havendo para tal capacidade de resposta da CP”. Mais, refere a operadora que “se está a estudar um novo modelo de oferta que contemple a introdução de comboios regionais”.

Esta informação surge num momento em que o Município de Vendas Novas tem desenvolvido negociações com a CP – Comboios de Portugal, de forma a que esta empresa baixasse o valor dos passes.

Para a autarquia de Vendas Novas, “o facto de existirem apenas serviços intercidades nesta sub-região não pode ser um impedimento ao acesso de todos os cidadãos do Alentejo Central à redução tarifária nos transportes ferroviários e que os utentes que utilizam o Flexipass em Vendas Novas e Évora não podem ser prejudicados, em relação a outras áreas geográficas do país.”

Neste sentido, a Câmara Municipal de Vendas Novas, reunida a 30 de outubro, aprovou, por unanimidade, uma tomada de posição sobre a aplicação imediata do PART ao transporte ferroviário de passageiros no Alentejo Central.

No documento está explicita a vontade da autarquia em resolver o assunto, deliberando exigir ao governo e à empresa CP a aplicação do Programa, com carácter imediato, de modo a garantir a igualdade de oportunidades entre todos os cidadãos, sem prejuízo de uma ulterior reformulação da oferta. Reforça que não é possível pensar uma estratégia de desenvolvimento e coesão territorial para a região, sem resolver o problema das acessibilidades, pois é essencial para tornar o Alentejo um território atrativo, capaz de fazer face aos desafios de futuro, e assim contribuir para as metas de redução das emissões de CO2. Condena ainda a atual postura da CP face à aplicação do PART no Alentejo Central, que tem conduzido ao agudizar de assimetrias, impedindo o acesso dos munícipes a verdadeiras condições de igualdade, desenvolvimento e integração social.