Sábado, Setembro 24, 2022
Pub

Cinco organizações ambientalistas alertam para “preocupante expansão” do regadio

- Publicidade -
- Publicidade -

Cinco organizações ambientalistas alertaram hoje para a “preocupante expansão” do regadio em Portugal, e deram parecer negativo a um estudo sobre a matéria cuja consulta pública termina hoje.

Em causa está o estudo “Regadio 20/30 — Levantamento do Potencial de Desenvolvimento do Regadio de Iniciativa Pública no Horizonte de uma Década”, coordenado pela Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva e com a colaboração de diversas entidades do Ministério da Agricultura, autarquias, empresas, e associações de regantes.

No documento, cuja consulta pública termina hoje e segundo o qual Portugal conta com uma superfície irrigável de 626.820 hectares e uma superfície regada de 562.255 hectares, preconiza-se que, “através de uma gestão criteriosa dos recurso hídricos nacionais, há condições para a expansão sustentável do regadio público em Portugal”.

Em concreto, os autores do estudo indicam que as regiões a norte do país podem aumentar as áreas de regadio.

E sobre a região do Alentejo, das que mais sofre os efeitos das alterações climáticas e com secas constantes, escrevem: “Na região Alentejo a agricultura de regadio apresenta condições de sustentabilidade económica, técnico e ambiental”, pelo que “deverá, sempre que existirem condições para tal, promover-se a expansão da área de regadio, possibilitando dinamização económico-social do território, em linha com a estratégia de ligação em rede a partir de Alqueva para outros Aproveitamentos, constituindo e si mesmo uma resposta às alterações climáticas”.

Na análise do documento as cinco organizações ambientalistas – Geota, ANP/WWF, SPEA, LPN e proTejo afirmam que o estudo é setorial, “com objetivos estritamente económicos, não integrando as componentes ecológicas e sociais enfatizadas pela nova Política Agrícola Comum Europeia”, onde é referido que a agricultura e as zonas rurais são fundamentais para o Pacto Ecológico Europeu.

O documento não coloca em contraponto a produtividade agrícola e a preservação dos recursos hídricos, do solo e a biodiversidade, nem tem em conta o património cultural e natural, acusam as associações.

“A consideração do património natural e cultural é meramente descritiva, não sendo integrada como critério de avaliação para definição dos projetos de regadio, que abrangem mais de 127.000 hectares, o que corresponde a um acréscimo de 22% da superfície agrícola regada a nível nacional, que se junta ao acréscimo de 21% observado entre 2009 e 2019, conforme dados do Recenseamento Agrícola de 2019”, alertam.

E dizem ainda as cinco associações que o “Projeto Tejo” continua a ser equacionado, apesar dos impactos ecológicos, sociais e económicos associados, e que o empreendimento de Fins Múltiplos do Alqueva, apesar dos “graves impactos ambientais, culturais e sociais”, é considerado uma referência e um caso de sucesso.

As cinco associações consideram que o estudo apresenta elementos positivos, nomeadamente a defesa do regadio eficiente, mas apelam “para a necessidade de que o estudo considere também os impactos negativos da expansão do regadio, e que equacione práticas agrícolas alternativas que sejam benéficas ou menos prejudiciais para a economia, o ambiente e a sociedade”.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

As mais vistas

Mais notícias

Motociclista de 57 anos morre em despiste no concelho de Arronches

Um homem de 57 anos morreu hoje na sequência do despiste do motociclo que conduzia na Estrada Municipal 516 no concelho de Arronches, no...

Montemor-o-Novo: Mês de outubro dedicado ao empreendedorismo

Sessões para empresários, ‘workshops’ e visitas a empresas são algumas das atividades previstas na iniciativa “Mês do empreendedorismo: Empreender, desenvolver e inovar em Montemor-o-Novo”,...