Cerca de 2000 alunos estrangeiros frequentaram, em 2018, o ensino básico e secundário no Alentejo

Escolas

Pela primeira vez em sete anos, Portugal teve um saldo migratório positivo em 2017, com mais de 36 mil imigrantes a ultrapassarem as quase 32 mil pessoas que deixaram o país, revelou esta terça-feira o Observatório das Migrações.

Neste relatório agora divulgado, são vários indicadores analisados e que mostram a presença de estrangeiros em Portugal.

Um dos indicadores analisado é a presença de estrangeiros nos estabelecimentos de ensino e a sua distribuição geográfica, neste caso, de acordo com o relatório “a distribuição geográfica dos alunos estrangeiros do ensino básico e secundário evidencia tendências semelhantes às identificadas na distribuição da população estrangeira residente, ou seja, a integração no sistema de ensino português reflete os próprios padrões de distribuição e residência da população estrangeira que se encontra em Portugal.”

Conforme os dados deste relatório, “verifica-se a sobre concentração dos alunos estrangeiros matriculados no ensino básico e secundário na região de Lisboa (NUT II) com 57,9% dos alunos estrangeiros (o correspondente a 22.414 alunos), seguindo-se a região do Algarve com 13,1% (5.077 alunos), a região Centro com 13% (5.033 alunos), a região Norte com 11% (4.239 alunos) e, finalmente, o Alentejo com apenas 5% dos alunos estrangeiros matriculados no sistema de ensino português (1.949 alunos).

Em 2018 a região do Alentejo, embora, seja a região de Portugal Continental com menor número de alunos estrangeiros matriculados, é uma das regiões do país onde os alunos estrangeiros matriculados têm algum impacto no total de alunos da região: representam 2,5% do total de alunos da região, importância ligeiramente superior à verificada na região Centro, onde representam apenas 2,2% e na região Norte, a zona do país onde os alunos estrangeiros têm menor impacto.

Na tabela em baixo poderá ver os principais grupos de nacionalidade que estudaram em Portugal, por distrito: