Quinta-feira, Novembro 30, 2023

Centro de artes cénicas em Nova Iorque construído com mármore de Vila Viçosa 

- Pub -
- Pub -

Mais notícias

Três mil toneladas de mármore extraídas de uma pedreira em Vila Viçosa, no distrito de Évora, foram utilizadas na construção das fachadas de um novo centro de artes cénicas em Nova Iorque, nos Estados Unidos.

“O edifício está todo feito com mármore de Vila Viçosa”, observa à agência Lusa Manuel Simões, da Granoguli, a empresa proprietária da pedreira de onde foi extraída a pedra para as fachadas do prédio.

O Perelman Performing Arts Center foi inaugurado, na semana passada, junto ao local conhecido como “Ground Zero”, que substituiu as torres gémeas e onde existe um memorial e um museu em homenagem às vítimas dos atentados do 11 de setembro.

Segundo Manuel Simões, a totalidade de mármore, de cor âmbar e translúcida, utilizada na construção das fachadas exterior e interior do edifício, em forma de cubo, foi extraída de uma pedreira da Granoguli situada perto de Vila Viçosa.

“Esta é daquelas obras que só se faz uma vez na vida. É tudo em mármore”, realça, adiantando que a complexidade do projeto “exigiu um trabalho com muito critério e seleção”, pois “as fachadas são precisamente iguais”, ou seja, têm o mesmo desenho.

O proprietário da empresa alentejana indica que, além da extração, também a primeira transformação da pedra foi feita por portugueses na empresa LSI Stone, com sede em Leiria.

Só depois é que os painéis de mármore seguiram para uma empresa em França, onde foi colado um vidro em cada uma das peças, e para uma outra na Alemanha, que ficou responsável pela montagem das fachadas do edifício, conta.

Lembrando que o centro de artes cénicas envolveu um investimento de 500 milhões de dólares (quase 470 milhões de euros), Manuel Simões considera que se trata de “um edifício muito especial”, pois “não existe outro semelhante no mundo”.

“Guardo ainda cinco ou seis blocos que estão aprovados pelo arquiteto não vá acontecer um acidente e porque é um orgulho”, assinala.

Sobre o valor do negócio, o empresário escusa-se a revelar os valores: “Este é daquele tipo de obras que não nos faz ricos, faz-nos é orgulhosos”, acrescenta.

Manuel Simões recorda que a oportunidade de fornecer a pedra para o Perelman Performing Arts Center surgiu através da LSI Stone, em 2018, na sequência de um contacto de uma consultora inglesa de obras de grandes dimensões em pedra.

Depois, relata, o arquiteto responsável pelo projeto, Joshua Ramus, e a sua equipa visitaram a pedreira em Vila Viçosa e foi lá que encontraram o tipo de pedra que pretendiam para as fachadas do edifício.

Cada uma das quatro fachadas do centro tem cerca de 1.800 painéis de mármore, com 1,5 metros por 90 centímetros.

O Perelman Performing Arts Center é um novo espaço para artistas emergentes e consagrados em teatro, dança, música, ópera e performance multidisciplinar, e faz parte do plano do Lower Manhattan Development Corporation para a reconstrução da área que era ocupada pelo World Trade Center, destruído nos atentados.

- Pub -

Mais notícias

- Pub -
- Pub -

Outras noticias

Portalegre: Certame vitivinícola com mais de 20 produtores

Mais de duas dezenas de produtores de vinho participam na 2.ª edição dos “Vinhos de Altitude - Serra de...