Candidatura de Évora a Capital Europeia da Cultura 2027 contém “alma do Alentejo”

Candidatura de Évora

A candidatura de Évora a Capital Europeia da Cultura 2027, “perfumada” a alecrim, contém “a alma do Alentejo”, afirmou hoje o presidente da câmara municipal, que se manifestou confiante de que este é um dossiê ganhador.

“Estamos convictos de que é uma candidatura ganhadora, que tem aquilo que é a alma do Alentejo e, assim sendo, estamos convencidos de que é uma excelente candidatura”, argumentou o presidente do município de Évora, Carlos Pinto de Sá.

O autarca salientou aos jornalistas que, com a entrega do dossiê da candidatura, cumpre-se a primeira fase de um trabalho extenso, complexo e participativo” e que espera que “conduza” Évora “ao título de Capital Europeia da Cultura em 2027”.

O ‘bid book’ (ou dossiê) da candidatura de Évora a Cidade Europeia da Cultura (CEC) 2027, escrito em inglês e composto por 20 volumes, foi hoje enviado para análise pelo júri internacional e propõe a região do Alentejo como “centro de cultura e de pensamento”.

O dossiê foi depositado esta manhã nos CTT para envio postal, acondicionado numa caixa contendo um pequeno saco recheado de alecrim, que representa um dos cheiros característicos do Alentejo.

Tendo como mote a palavra “vagar”, expressão tipicamente alentejana, a candidatura baseia-se em três eixos – herança cultural, intangibilidade e biodiversidade – e privilegia a criação de projetos de artistas e organizações locais, promovendo o tecido cultural de Évora e do Alentejo.

Carlos Pinto de Sá destacou hoje este caráter regional a transversal da candidatura e que envolveu “um trabalho hercúleo” de construção, com o envolvimento e auscultação de várias entidades e atores alentejanos de toda a região.

“Esta candidatura, tendo no centro a cultura e a identidade do Alentejo, pretende estabelecer pontes com outras áreas da sociedade”, para se afirmar “como uma candidatura de transformação urbana, de transformação social de Évora e do Alentejo”, disse.

Os “argumentos” que seguem na caixa dão corpo à “identidade do Alentejo”, que é algo que “ninguém tem” e que “pode ser vista na identidade cultural, na preservação ambiental, nas questões ligadas à sustentabilidade” e à “história do Alentejo” e o seu “contributo para a Europa ao longo de séculos”, indicou.

“Há toda uma identidade do Alentejo que está naquela caixa, devidamente tratada” e “conceptualizada de forma a apresentarmos uma ideia para a candidatura”, revelou o autarca, explicando que, nesta fase, o dossiê ainda não pode ser divulgado.

Já a coordenadora da equipa de Missão Évora 2027, Paula Mota Garcia, argumentou tratar-se de “uma candidatura forte”, porque “parte do Alentejo” e coloca a região a lançar “grandes questões a nível da Humanidade para a Europa”.

“Temos a certeza de que as candidaturas” de outas cidades ao título de CEC 2027 “vão ser muito boas” e estamos numa grande competição, mas acreditamos naquilo que estamos a fazer” e “nos residentes do Alentejo”, frisou.

A ‘shortlist’ (ou lista restrita) das cidades candidatas a CEC 2027 vai ser publicada no início do próximo ano.

Quanto à decisão final do júri, composto por 12 elementos, dois deles portugueses, será conhecida em dezembro de 2022 ou janeiro de 2023, segundo a equipa de missão.

Além do município, que lidera a candidatura, a comissão executiva integra outras entidades e organismos, como a Direção Regional de Cultura do Alentejo, a Universidade de Évora, a Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central ou a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo.

A Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo, a Fundação Eugénio de Almeida e a Agência Regional de Promoção Turística do Alentejo também fazem parte da comissão executiva.