Câmara de Évora lança campanha que incentiva a comprar no comércio tradicional

Comércio tradicional de Évora

Em tempo de pandemia COVID-19, num quadro de crise que afeta toda a sociedade, a Câmara Municipal de Évora cria o selo “Eu Compro em Évora” e aprova medidas de apoio à economia local, particularmente aos que lutam por manter vivo o comércio tradicional.

“Este Natal ofereça uma prenda a Évora, faça compras no comércio local” é o mote de uma campanha que pretende estimular a economia local. Para tal foi criado um selo “Eu compro em Évora”, bem como serão colocados à disposição dos comerciantes da cidade outros produtos, como papel de embrulho, sacos de papel e placa para a porta dos estabelecimentos “Aberto/Fechado”. Estão previstas ações de distribuição de materiais pelo comércio do Centro Histórico no início da próxima semana, podendo todos os comerciantes interessados que pretendam aderir à campanha solicitar os materiais à CME através do endereço cmevora@cm-evora.pt.

A par do combate à pandemia, precisamos de defender a economia local e, em particular, o comércio e a restauração. Comprar no comércio local é combater a crise económica e social, é defender o emprego e as empresas, é ajudarmo-nos. Dê um presente a Évora, compre no comércio local”, apela o Presidente da Autarquia, Carlos Pinto de Sá.

Para além da campanha de estímulo às compras no comércio local, a Câmara Municipal aprovou um conjunto de medidas que, no âmbito das competências do Município, têm como objetivo atenuar os efeitos negativos da pandemia de COVID-19. No imediato, foi decidido suspender a cobrança do estacionamento tarifado aos sábados entre 5 de dezembro de 2020 e 9 de janeiro de 2021, como medida de estímulo à população para que recorra ao comércio tradicional.

Para o ano de 2021, está previsto um aumento significativo no investimento municipal, quer no que resulta da captação de fundos de financiamento comunitário, quer no que terá origem em projetos baseados em recursos próprios. As taxas municipais cuja regulação só dependa do município não terão aumentos em 2021, sendo inclusivamente suprimidas para as empresas mais afetadas pela crise.

Está prevista também a redução do IMI – Imposto Municipal sobre Imóveis e não será cobrada derrama às micro e pequenas empresas cujo volume de negócios seja inferior a 150 mil euros.