“Brados do Alentejo”, uma das publicações mais antigas da região pode desaparecer devido à crise da Covid-19

A chegada da pandemia da Covid-19 expôs algumas vulnerabilidades de alguns sectores, como é o caso da imprensa, principalmente da local e regional.

Um dos exemplos é o Jornal “Brados do Alentejo”, uma das mais antigas publicações do Alentejo, está em risco de desaparecer, por dificuldades financeiras.

Com 89 anos de existência, diz o Presidente da Casa da Cultura de Estremoz, João Carlos Vieira, que manter a publicação “está a revelar-se uma tarefa impossível.”

João Carlos Vieira acrescenta ainda que o Jornal “já revelava dificuldades, sempre superadas pelo trabalho voluntário e pelo empenho dos seus trabalhadores, inesperadamente e a uma velocidade assustadora, caímos no precipício.”

O representante da instituição proprietária do Jornal, entende que “o jornalismo como um serviço público com o importante papel na coesão social, na defesa da democracia, no estímulo à solidariedade e conscientização do cidadão.”

João Vieira afirma que “o Brados do Alentejo nunca passou tantas dificuldades como agora. Afinal, embora propriedade de uma associação cultural sem fins lucrativos, precisa de receitas, e está sujeito às mesmas obrigações de uma empresa privada.”

Ao que sabemos esta publicação vive apenas da publicidade e das assinaturas, não tendo qualquer tipo de outro apoio.

Recordamos que em Abril passado o Governo de Portugal anunciou um apoio aos meios de comunicação, no âmbito da crise provocada pela Covid-19, que consistia na compra antecipada de publicidade, no entanto até ao momento a maioria dos órgãos de comunicação nada recebeu.

Por isso ODigital.pt solidariza-se com o “Brados do Alentejo” e deixa o apelo, por exemplo, para comprar uma assinatura do Jornal.

Para saber como ajudar, clique aqui.