Beja e Évora entre as regiões onde o número de insolvências caiu em setembro

Insolvência

As insolvências de empresas registaram um aumento homólogo de 4,2% até setembro deste ano, para 3.717, enquanto a constituição de novas empresas cresceu 8,6%, para 30.604, face a igual período do ano passado, anunciou hoje a Iberinform.

Em setembro, as insolvências denotaram uma redução homóloga de 12,1%, caindo de 612 para 538 casos, refere a Iberinform, filial da Crédito y Caución, em comunicado, lembrando, contudo, que até ao final dos primeiros nove meses deste ano as ações de insolvência ascenderam a 3.717, mais 150 que em idêntico período do ano anterior.

Por tipologia de ações destaca-se um aumento de 6,9% em setembro nas declarações de insolvência requeridas por terceiros, que se cifraram em 729, mais 47 que em igual mês do ano passado.

Quanto às declarações de insolvência requeridas pelas próprias empresas, diminuíram 7,9% em setembro, face ao período homólogo (menos 66), ascendendo a um total de 767 ações.

Os distritos do Porto e de Lisboa são os que apresentam valores homólogos mais elevados, com 946 e 854 insolvências, respetivamente, com aumentos de 3,7% no Porto e de 17,6% em Lisboa, pela mesma ordem.

Além destes dois distritos observaram-se aumentos em mais dez distritos de Portugal Continental e Regiões Autónomas – Vila Real (+37%), Portalegre (+30%), Setúbal (+28%), Guarda (+20%), Castelo Branco (+18,2%), Coimbra (+17,5%), Ponta Delgada (+7,4%), Braga (+3,6%), Madeira (+3,3%) e Aveiro (+0,3%).

É de assinalar uma diminuição nas insolvências em nove distritos – Bragança (-64,5%), Horta (-50%), Angra do Heroísmo (-47,4%), Faro (-30,4%), Beja (-18,2%), Évora (-18,2%), Santarém (-14,5%), Viana do Castelo (-7,2%) e Leiria (-2,9%), sendo que Viseu é o único distrito que se mantém estável em termos homólogos, com um registo de 82 insolvências em ambos os períodos.

As constituições de empresas, por seu lado, diminuíram de 3.720 em setembro do ano passado para 3.286 em igual mês deste ano, menos 434, isto é, menos 11,7%, lê-se ainda no comunicado.

Até setembro, realça a Iberinform, foram criadas mais 2.427 novas empresas face a idêntico período do ano anterior (+8,6%), mas “significativamente menos” que em 2019 (menos 7.475 empresas), o que se traduziu num decréscimo de 19,6%.