Autárquicas: PSD/Évora fala em “vitória histórica” de quatro câmaras no distrito

Sónia Ramos

A presidente da Distrital de Évora do PSD, Sónia Ramos, qualificou hoje como “uma vitória histórica” a conquista de quatro câmaras municipais pelos sociais-democratas (sozinhos ou coligados) nesta região alentejana, nas autárquicas de domingo.

Numa publicação na página da distrital na rede social Facebook, intitulada “Distrito de Évora consegue uma vitória histórica para o PSD”, a responsável disse que o Alentejo e muito concretamente o Alentejo Central “viveu [no domingo] um momento histórico”.

“O PSD conquistou quatro câmaras municipais no distrito”, concretamente Mourão, Redondo, Reguengos de Monsaraz e Vila Viçosa, conseguindo “destacar-se de forma transversal nestas autárquicas”, pode ler-se na mensagem de Sónia Ramos.

Um resultado que é “fruto de um longo trabalho de proximidade, de uma profunda avaliação do território, de uma oposição credível, mas fundamentalmente fruto da autenticidade dos nossos candidatos”, argumentou.

“São inúmeras as pessoas que acreditaram que não trocamos as nossas convicções por conveniências, que a nossa terra não tem preço e que o PSD continua a ser um partido de pessoas para pessoas” e que “demonstra uma preocupação com todos e com tudo o que o rodeia”, escreveu, entre outras questões, a presidente da distrital social-democrata.

Para Sónia Ramos, “seguramente, hoje, o distrito de Évora tem muito mais razões para acreditar que o amanhã será diferente, será melhor”.

Nestas eleições autárquicas, o PS foi o partido mais votado no distrito de Évora, mantendo o maior número de câmaras, seis, mas foram as coligações de centro-direita que se destacaram, conquistando quatro municípios, todos com maiorias absolutas.

Já a CDU (coligação PCP/PEV) permaneceu como a segunda força política mais votada, mas perdeu votos, face às eleições de 2017, e venceu em três câmaras, visto que perdeu outras três.

Os movimentos independentes também perderam ‘terreno’ no distrito de Évora, passando de três câmaras geridas por grupos de cidadãos para uma, Borba, que se torna numa espécie de ‘ilha’.

No que respeita aos social-democratas, a concorrer sozinhos, ‘roubaram’ o bastião socialista de Reguengos de Monsaraz – o PS sempre liderou este município, desde as primeiras autárquicas, em 1976 -, e Marta Prates vai ser a nova presidente da câmara.

Vila Viçosa, com Inácio Esperança (PSD/CDS-PP/PPM/MPT), Mourão, com João Fortes (PSD/CDS-PP) e Redondo, com David Fialho Galego (PSD/CDS-PP), também ficaram ‘pintadas’ com coligações ‘laranja’, a primeira delas ‘capturada’ à CDU, a segunda ao PS e a terceira a um movimento independente.

Além da presidência dos quatro municípios, o PSD (em coligações) elegeu dois vereadores em Évora, um em Estremoz, numa lista encabeçada pela própria Sónia Ramos, e outro em Viana do Alentejo, tendo integrado a coligação liderada pelo CDS-PP que passa a contar com um vereador em Montemor-o-Novo. E, os social-democratas sozinhos ainda elegeram um vereador em Vendas Novas.