Autárquicas: Novo autarca de Mourão contragula-se com vitória do PSD/CDS-PP

João Fortes

O presidente eleito da Câmara de Mourão (Évora), João Fortes, congratulou-se hoje com a vitória da coligação PSD/CDS-PP neste concelho, nas autárquicas de domingo, e estabeleceu como prioridades a habitação, economia e apoio aos jovens.

Pelo “trabalho que temos vindo a fazer ao longo dos últimos quatro anos de oposição e, particularmente, na pré-campanha, achávamos que podíamos agoirar uma vitória, mas nunca julgámos que fosse tão folgada”, afirmou à agência Lusa João Fortes.

O novo autarca alentejano admitiu que os resultados eleitorais no concelho de Mourão, distrito de Évora, “foram surpreendentes” e agradeceu “o voto de confiança” dado pelos eleitores à coligação PSD/CDS-PP.

João Fortes venceu, com maioria absoluta, a Câmara de Mourão, nas eleições autárquicas de domingo, afastando o PS, que detinha a presidência – a atual autarca Maria Clara Safara candidatou-se a um terceiro mandato -, segundo os dados provisórios do Ministério da Administração Interna.

De acordo com os resultados, o PSD/CDS-PP obteve 47,14% dos votos, ou seja, mais 163 boletins do que o PS, que se ficou pelos 36,80%.

Nas autárquicas de 2017, o cenário tinha sido quase o inverso, com o PS a atingir então 45,49% dos votos, ficando o PSD, que concorreu sozinho a esse ato eleitoral, com 36,11%.

Os resultados deste domingo significam que os social-democratas (sozinhos ou em coligação) voltam a ganhar em Mourão 36 anos depois, de acordo com o portal de dados estatísticos Eyedata, consultado pela Lusa.

“Foi claramente um ‘cartão vermelho’ à governação anterior”, considerou o presidente eleito do município, sublinhando, contudo, que a vitória também “dá uma responsabilidade acrescida” à coligação que lidera para cumprir o seu programa eleitoral.

Com maioria absoluta na câmara, mas maioria relativa na assembleia municipal, João Fortes apontou a necessidade “estabelecer pontes” com as outras forças políticas eleitas, ciente de que “a política faz-se de negociação”.

“Obviamente, [espero] que se forme uma estabilidade governativa, nomeadamente ao nível da assembleia municipal, para conseguirmos levar a cabo os nossos projetos”, referiu.

O novo autarca social-democrata adiantou que pretende “construir um loteamento de habitação com rendas controladas”, com verbas do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), e dar um novo impulso à “diplomacia económica” do concelho.

“Temos uma elevada taxa de desemprego” e a população de Mourão tem “rendimentos médios muito baixos”, pelo que “queremos dar condições às famílias para serem uma classe média”, salientou.

O apoio aos jovens, com a construção de um ginásio municipal, um relvado sintético e da casa das associações, é outra das prioridades.

A Lusa tentou obter uma reação aos resultados eleitorais por parte da atual presidente do município e candidata do PS, Maria Clara Safara, mas as várias tentativas foram infrutíferas.

No concelho do distrito de Évora com a mais alta taxa de votação, com 72,59% de votantes, a coligação PSD/CDS-PP recolheu 743 votos (47,14%), com três eleitos, enquanto o PS ficou-se pelos 580 votos (36,80%) e dois eleitos.

Já a CDU (PCP/PEV), com 128 votos (8,12%), e o partido Chega, com 78 (4,95%), não conseguiram qualquer eleito para o futuro executivo camarário.